Gravidez/Parto/Obstetrícia - Vacina na gravidez: tomar ou não tomar?
Esta página já teve 117.118.884 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.648 acessos diários
home | entre em contato
 

Gravidez/Parto/Obstetrícia

Vacina na gravidez: tomar ou não tomar?

11/03/2004
  


Foto: Agência Notisa

          Muita gente teme efeitos colaterais, mas as vacinas contra difteria e contra tétano devem ser administradas a mulheres grávidas não imunizadas.



          As vacinas (ou imunobiológicos) que os bebês tomam nos primeiros meses de vida demoram a surtir efeito, porque o sistema imunológico da criança ainda não está suficientemente maduro. Portanto, são os anticorpos da mãe que protegem o recém-nascido contra infecções. Anticorpos do tipo IgG passam do organismo da gestante para o do feto através da placenta. Vacinar mulheres grávidas seria, então, uma ótima estratégia para garantir a saúde dos bebês. Contudo, vacinas não são rotineiramente recomendadas para gestantes, já que se teme algum efeito nocivo para a criança e para a mãe.

          Realmente, certas vacinas – como a contra rubéola – não devem ser tomadas por mulheres grávidas. Porém, é importante que gestantes recebam a vacina contra difteria e a contra tétano. Pesquisas já mostraram que essas duas vacinas são seguras e reduzem o risco das doenças entre recém-nascidos. “Apesar de nenhuma evidência de risco de malformação fetal ter sido associada às vacinas, há muito medo de que imunobiológicos possam causar algum tipo de efeito prejudicial ao feto. Sempre que for possível, então, vacinas recomendadas para gestantes devem ser administradas nos estágios finais da gravidez, quando o feto já estiver formado”, diz Lúcia Ferro Bricks em artigo publicado na Revista do Hospital das Clínicas (volume 58; número 5). A pesquisadora analisou publicações científicas dos últimos dez anos sobre vacinação na gravidez.

          Em geral, após seis meses, os anticorpos maternos já desapareceram do organismo do bebê ou, então, estão presentes em quantidade muito pequena. “Contudo, no segundo semestre de vida, crianças que foram adequadamente imunizadas já apresentam seus próprios anticorpos. Mulheres vacinadas durante a gravidez podem ainda transferir anticorpos específicos contra vários agentes infecciosos através do colostro (líquido amarelado secretado pelas glândulas mamárias alguns dias antes e depois do parto) e do leite materno”, afirma Lúcia no artigo.

          Muitos pesquisadores têm se dedicado ao desenvolvimento de vacinas cada vez mais eficientes e seguras. Por isso, “espera-se que em um futuro próximo o calendário de vacinação para mulheres grávidas tenha sido amplamente expandido, com novas vacinas sendo incorporadas”, diz Lúcia no artigo.

Fonte:Agência Notisa
www.notisa.com.br


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos