-
Esta página já teve 133.088.997 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.664 acessos diários
home | entre em contato
 

Primeiros socorros/Emergência

Acidente de Trânsito 1

23/03/2004

 

O adolescente na direção

Considerando que é dever da família, da sociedade e do Estado proteger a criança e o adolescente da negligência e da violência. Considerando o expressivo número de acidentes graves e mortes envolvendo veículos auto-motores e a imaturidade bio-psíquica do adolescente de 14 a 18 anos, além de aspectos legais da responsabilidade civil e criminal nesta faixa etária, este departamento é contrário a decisão do CONTRAN de conceder carta de habilitação ao adolescente.

Educando a criança para ser pedestre

Esta é uma tarefa dos pais, dos professores, da TV educativa e, enfim, de todos que lidam com crianças.

Desde que a criança começa a sair de casa, algumas noções básicas já podem e devem ser ensinadas como:

- Procurar um lugar seguro para atravessar a rua (faixa de segurança, passarela)
- Escolher um lugar com boa visibilidade, longe das curvas.
- Aguardar a autorização do guarda ou eletrônica.
- Aguardar pacientemente o momento adequado.
- Atravessar sem correr, para não escorregar ou cair.

* Não deixer a criança brincar na rua, elas devem ser levadas aos parques e jardins onde a segurança é bem maior.

A criança como passageiro

É muito elevado o número de crianças que morrem ou ficam com graves sequelas em função de acidentes envolvendo veículos auto-motores. O conhecimento de algumas regras básicas e a observância de cuidados muito simples podem reduzir bastante este número.

Conceitos básicos :

- O local mais perigoso do automóvel é o banco dianteiro direito.
- É um mau hábito transportar cargas com pontas (bicicletas, por exemplo) no interior dos veículos.
- O braço mais forte não conseguirá jamais conter uma criança em caso de uma colisão a 40 km/hora, portanto, não transporte ninguém no colo.
- Trafegar na cidade é tão perigoso quanto na estrada.
- Boa parte dos acidentes ocorrem nas proximidades da residência da vítima, ocasião esta, em que o nível de atenção do motorista é menor.

Transportando uma criança :

- Crianças de até 4-5 meses devem ser transportadas sobre o banco traseiro, acomodadas no interior de um cesto apropriado para transporte de crianças desta idade e devidamente afixado à estrutura do carro. Jamais transportá-las no colo de alguém no banco dianteiro direito.

- Crianças que já se sentam com firmeza e até 2-3 anos devem ser transportadas em cadeiras apropriadas, firmemente presas a estrutura do carro; estas cadeiras devem dispor de 2 cintos, um que passa pelos ombros e outro abdominal. O cinto exclusivamente abdominal não deve ser usado pois pode, inclusive, causar a ruptura de vísceras abdominais por compressão na hora do acidente.

- Crianças com mais de 3 anos devem ser transportadas no banco traseiro, contidas por cintos de segurança do tipo que passa pelo ombro.

- O cinto exclusivamente abdominal, ainda presente em muitos veículos do país, só deve ser usado a partir do 10 anos de idade, ou seja, a partir da idade em que o desenvolvimento da bacia já é suficiente para mantê-lo no lugar, isto é, sobre a mesma e não sobre o abdomen.

O adolescente e a motocicleta

À medida que se difundiu o uso de bicicletas motorizadas, lambretas e motocicletas cresceu assustadoramente o número de acidentes fatais envolvendo este tipo de veículo. A causa principal de morte nestes casos é, indiscutivelmente, o traumatismo crânio-encefálico, sendo também frequentes as queimaduras e as fraturas de membros e, por isso, a criança deve ser alertada para a fragilidade do veículo que está utilizando e sobre as medidas de segurança que deve praticar:

1. Usar sempre capacete apropriado.
2. Usar luvas de punhos longos que protegem do resfriamento e de ferimentos nas quedas.
3. Usar botas que se estendam acima dos tornozelos.
4. Usar roupas justas, espessas, coloridas e com reforços especiais nos ombros, cotovelos e joelhos.
5. Óculos especiais para motociclistas também são importantes para proteção dos olhos e manutenção da visibilidade sempre muito prejudicada pelo vento.
6. Não se esquecer de que estas medidas devem ser praticadas também pelo acompanhante.

Como trafegar :

- Farol baixo aceso "dia e noite".
- Evitar "costurar" por entre os veículos.
- Manter velocidade adequada ao peso do veículo. Veículos leves levantam vôo quando em velocidade excessiva ou em ventanias.
- Veículos com rodas pequenas encontram grandes obstáculos nas pedras e nos buracos e, portanto, devem andar mais devagar.
- O acompanhante deve colar-se ao corpo do motociclista e acompanhar seus movimentos de corpo.

Documento Científico do Departamento de Segurança da Criança e do Adolescente


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos