Laser -
Esta página já teve 134.615.086 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.668 acessos diários
home | entre em contato
 

Laser

Efeitos da Radiação Laser do tipo Hélio-Neônio verde (550nm) no processo de reparo em feridas de extração dental

14/06/2004


Efeitos da Radiação Laser do tipo Hélio-Neônio verde (550nm) no processo de reparo em feridas de extração dental: estudo histológico em ratos

Luciana Christofolini Picon

Walter Domingos Niccoli Filho

Tetuo Okamoto

Nei Cardenuto

RESUMO: Foi feito um estudo histológico sobre os efeitos da radiação laser tipo hélio-neônio verde (550nm) no processo de reparo em feridas de extração dental em ratos. Os resultados sugerem que esse tipo de tratamento não trouxe benefícios significantes sobre este processo. A proliferação de fibroblastos e a formação de tecido osteóide não foram mais proeminentes no grupo irradiado. Unitermos: extração dentária; lasers; cicatrizaçãode feridas; reparo alveolar



Introdução

Euler 9 , em 1923, foi o pioneiro em estudos sobre o processo de reparo em extração dental e, desde então, os pesquisadores têm analisado esse fênomeno biológico por meio de estudos experimentais e clínicos, usando métodos radiográficos, histológicos e histoquímicos, que permitiram estabelecer os padrões normais dete processo de reparo 1,2,19,20 .

Morfologicamente podem ser consideradas quatro fases fundamentais na evolução do processo de reparo alveolar, a saber: proliferação celular, desenvolvimento do tecido conjuntivo,maturação do tecido conjuntivo e diferenciação óssea ou mineralização. Há que se ressaltar que esta divisão é muito mais didática ,visto que em ratos, no sétimo dia pós-exodontia, são observadas essas quatro fases citadas.

A partir do estabelecimento das etapas do processo de reparo e sua cronologia, os diversos autores procuraram estabelecer seu comportamento frente a vários fatores, tanto locais como sistêmicos.

Alguns fatores sistêmicos, já estudados, revelam que o diabete 11 , a tiroparatiroidectomia 10 , a administração do paratormônio 23 e os contraceptivos 7 retardam a cronologia do processo de reparo alveolar.

Sob a ação local de substâncias como "osso anorgânico" 24 e Boplant compacto 21 , não houve estimulação da osteogênese, e atrasaram, mais pronunciadamente, a cronologia da reparação alveolar. Niccoli-Filho & Okamoto, aplicando laser do tipo hélio-neônio com um comprimento de onda de 632,8 nm (espectro vermelho) em feridas de extração dental, observaram o avanço na cronologia do processo de reparo alveolar.

O uso de radiação laser, para melhoria da qualidade em reparações de feridas cirúrgicas, tem estimulado vários estudos, pois tal recurso tem se mostrado eficaz em várias áreas da medicina e da odontologia moderna.

O densenvolvimento do laser (Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation) teve seu nascimento a partir de 1917, quando Albert Einstein estudou a emissão estimulada. Em 1958, Shawlow&Townes 25 sugeriram que os príncipios básicos da amplificação por emissão estimulada poderiam ser aplicados à amplificação da luz (LASER).

Em resumo, o raio laser é um raio de luz, portanto, caracteriza-se por cor e intensidade. O que faz o raio laser ser diferente da luz comum são certas características e propriedades importantes, tais como: ser uma fonte de luz monocromática, que pode atingir altas intensidades, ser coerente e com brilho intenso, assim como unidirecional. 12

Cada uma dessas propriedades, em separado ou em conjunto, possibilita aplicações específicas e de grandes resultados na área biológica 13,27 .

Segundo vários autores, 3,12,14,18 atuando em nível celular, a radiação laser provocará modificações bioquímicas, bioelétricas e bioenergéticas.

Bogatov et al. 4 estudaram a regeneração óssea e observaram que a laser terapia reduz o tempo de reparação em ferimentos provocados. Em osso alveolar, Takeda 26 estudou os efeitos da energia laser do tipo Ga-As, após extração de molar em ratos, observando histologicamente uma aceleração no processo de reparo alveolar.

Não têm sido feitas, até o momento, refêrencias sobre a ação da radiação laser do tipo Hélio-Neônio verde no processo de reparo em feridas de extração dental, razão pela qual propusemo-nos a desenvolver a presente pesquisa.



Material e métodos

Para a presente pesquisa, foram utilizados 48 ratos(Rattus norvegicus,albinus,Wistar), de peso corporal aproximado de 300 gramas e 80 dias de vida.

Os animais foram alimentados com ração granulada antes e durante o período experimental e água ad libitum.

Os ratos foram divididos, aleatoriamente, em dois grupos de 24 cada, com os seguintes procedimentos experimentais:

GrupoI (controle):os animais, sob anestesia geral por inalação de vapores de éter sulfúrico, tiveram seus incisivos supeiores esquerdos extraídos com instrumental especialmente adaptado para esse fim 20 . A seguir,a mucosa gengival foi suturada com fio de seda 4-0 (Seda Preta "Sutupack-Ethicon" - Johnson & Johnson).

Grupo II (tratado): Após a extração dos incisivos superiores esquerdos, o alvéolo recebeu a aplicação direta de radiação laser do Hélio-Neônio verde, por meio de fibra óptica, durante seis minutos. A seguir, a mucosa gengival foi suturada de forma semelhante ao GrupoI.

Foi usado um aparelho laser do tipo Hélio-Neônio verde, cuja pôtencia é de 0,95 mW, comprimento de 550 nm (cor visível), divergência de 1,7 mRAD. Para levarmos a radiação ao interior dos alvéolos dos ratos do Grupo II, fez-se o feixe de radiação do aparelho incidir em uma lente positiva, que foca o feixe em uma fibra óptica multimodo, cujas dimensões são: CORE: 50um e CLADDING: 125um.

Os animais foram sacrificados aos 3, 7, 14 e 21 dias após o ato cirúrgico.

As peças obtidas, após o preparo histológico de rotina, foram coradas pela hematoxilina e eosina, seguindo para leitura ao microcópio óptico comum.



Resultados

3 dias

Grupo I (controle): O alvéolo dental encontra-se em grande parte preenchido por coágulo sanguïneo. No terço médio,junto ao ligamento periodontal, podem ser notados alguns fibroblastos jovens invadindo o coágulo sanguíneo (figura 1), além de capilares neoformados.

Grupo II (tratados): As mesmas características histológicas do Grupo I são observadas neste tempo pós-operatório(figura 2).



7 dias

Grupo I: Os três terços alveolares acham-se ocupados parcialmente por tecido conjuntivo neoformado altamente Imaturo, exibindo grande número de mácrofagos, fibroblastos jovens e vasos capilares. Ao nível do terço médio, no lado lingual, é possível observar um tecido conjuntivo mais evoluído notando-se algumas espículas ósseas neoformadas com intensa atividade osteoblástica (figura 3).

GrupoII: Os três terços alveolares acham-se preenchidos parcialmente por tecido conjuntivo imaturo, muito semelhante ao GrupoI, com os mesmos achados histológicos. No terço apical, nota-se menor quantidade de coágulo sanguíneo e uma maior quantidade de tecido ósseo neoformado (figura4).

Fig. 1 - Grupo I. 3 dias. Terço médio evidenciando restos de ligamento periodontal bem vascularizado e rico em fibroblastos. HE.

Fig. 2 - Grupo II. 3 dias. Terço médio próximo do ligamento periodontal exibindo coágulo sanguíneo e fibroblastos jovens. HE.

Fig. 3 - Grupo I. 7 dias. Terço médio do alvéolo, lado lingual, evidenciando tecido conjuntivo imaturo. HE.

Fig. 4 - Grupo II. 7 dias. Terço médio do alvéolo mostrando tecido conjuntivo mais evoluido. HE.



14 dias

GrupoI: Junto aos terços médios e apical podem ser observadas trábeculas ósseas mais desenvolvidas, preenchendo, aproximadamente, a metade da extensão. Em diversos pontos pode ser observado o coágulo sanguíneo sem organização (figura 5).

GrupoII: O alvéolo exibe tecido conjuntivo neoformado com a presença de trabeculado ósseo, com intensa atividade osteoblástica (figura 6).



21 dias

Grupo I: O alvéolo dental encontra-se totalmente preenchido por tecido ósseo neoformado, apresentando, no entanto, algumas características distintas conforme o terço considerado. Assim junto ao terço cervical, as trabéculas ósseas ainda deixam amplos espaços ocupados por tecido conjuntivo bem vascularizado e rico em fibroblastos (figura 7); junto ao terço médio as trabéculas geralmente são bem definidas.

GrupoII: Os três terços do alvéolo acham-se ocupados por trabéculas ósseas, mas com espaços consideráveis de tecido conjuntivo maturo (figura 8).



Discussão

Os resultados obtidos por nós, nos animais do grupo controlee (GrupoI), mostraram que a evolução do processo de reparo alveolar ocorreu de maneira semelhante à descrita por Okamotoo 19 .

A análise dos resultados obtidos nos animais do grupo tratado (GrupoII) mostrou que a aplicação do laser He-Ne verde não alterou quer a formação do coágulo quer a proliferação fibroblástica com formação de substância fundamental amorfa, aos três dias pós-operatório.

Nos tempos subsequentes (7, 14 e 21 dias) foram observados, no mesmo grupo, um pequeno incremento na proliferação osteoblástica e na formação de tecido ósseo, porém julgamos não significantes, quando comparados ao grupo controle.

Para Conway 18 , na cicatrização de feridas cirúrgicas, a formação do tecido de granulação é um dos fatores de maior importância. Para Lindner 17 , esta formação de tecido de granulação está relacionada coom o metabolismo dos fibroblastos, o que nos leva a crer que nos animais do grupo tratado deve ter ocorrido, nos tempos de 7, 14 e 21 dias pós-operatório, um pequeno estímulo que, agindo sobre estas células, promoveria a gênese um pouco mais precoce do tecido de granulação.

Bosatra et.al 5 comentam que a síntese atribuída a seus resultados com laser He-Ne (632,8nm), incrementando a formação de tecido de reparação, estava presente, mas em termos de pesquisa, não foi possível estabelecer se o processo de reparação foi beneficiado por um efeito direto de radiação laser sobre os fibroblastos, ou foi consequência indireta de outras condições, tal como um bom aporte sanguíneo nos tecidos envolvidos.

Um dos fatores mais benéficos e decisivos atribuídos ao laser do tipo He-NE (632,8nm), para a melhora na reparação tecidual em feridas cirúrgicas, dá-se pelo desenvolvimento de novos vasos sanguíneos 18 . Os resultados obtidos por esses autores mostraram que este desenvolvimento de um maior aporte sanguíneo foi significantemente influenciado pela aplicação do laser He-Ne. Nesta pesquisa, os animais do grupo tratado com laser He-Ne (550nm), quando comparados aos do grupo controle, não apresentaram uma proliferação mais intensa de capilares sanguíneos.

A irradiação de cultura de fibroblastos e linfonodos com laser, Labe et al.15, não revelou mudanças na contagem, conteúdo de DNA ,índice mitótico ou na morfologia celular.O mesmo autor, em 1990, mostrou que a fotoestimulação por laser provocou um incremento na síntese do ácido ascórbico e na hidroxiprolina em culturas de fibroblastos, o que poderia gerar uma melhor qualidade na reparação tecidual(16)

Alguns autores 6,22,28 contestam os efeitos benéficos advindos do uso da aplicação da radiação laser He-Ne na prática clínica. Os mesmos salientam que os mresultados positivos obtidos em animais não podem ser transferidos para o homem, devido ao fato de fatores como dissimilaridade de cor e estrutura tecidual, individualidades nas propriedades de absorção/reflexão e diferenças nas susceptibilidades dos tecidos irradiados serem suficientes para não se aceitarem estes resultados positivos descritos na literatura.

Os resultados da presente pesquisa sugerem que o uso da radiação laser He-Ne verde não leva a um incremento na formação do tecido de granulação e concomitante aceleração na cronologia do processo de reparo.

Outro aspecto importante a se considerar é que o comprimento de onda utilizado (550 nm), emitindo radiação com a cor verde, influi no processo de reparo, visto que Nicolli-Filho & Okamoto*, usando o mesmo tipo de laser (Hélio-Nêonio), mas com comprimento de onda de 632,8nm (cor vermelha), obtiveram uma aceleração na cronologia do processo de reparo.

Dada a complexidade do assunto, acreditamos que o uso de tão sofisticada técnica merece novos experimentos, no intuito de melhor conhecer o comportamento do processo de reparo alveolar, submetido ou não ao estímulo proporcionado pelo uso de radiação laser do tipo Hélio-Nêonio verde.

Fig. 5 - Grupo I. 14 dias. Terço médio do alvéolo mostrando trabéculas ósseas imaturas. HE.

Fig. 6 - Grupo II. 14 dias. Terço cervical do alvéolo mostrando trabeculado ósseo pouco espesso. HE.

Fig. 7 - Grupo I. 21 dias. Terço apical do alvéolo exibindo trabéculas ósseas pouco definidas. HE.

Fig. 8 - Grupo II. 21 dias. Terço cervical do alvéolo mostrando trabéculas ósseas espessas, com amplos espaços de tecido conjuntivo. HE.



Conclusões

1. Não houve formação mais precoce do tecido de granulação e no ínicio da neoformação óssea.

2. O laser He-Ne verde não promoveu significante aceleração na cronologia do processo de reparo.

3. A julgar pelos resultados obtidos,o comprimento de onda do laser do tipo He-Ne pode interferir na cronologia do processo de reparo.



NICOLLI-FILHO,W.D.et.al. The effect of green helium-neon laser on the healing of extraction wounds: histological study in rats. Rev.Odontol.UNESP, São Paulo, v. 22, n. 2, p.213-221, 1993.



ABSTRACT: A histological study on healing of extraction wounds following laser irradiation, using a green He-Ne laser, was carried outs in rats. The results suggest that this kind of treatment has no significant beneficial effect on bony wound healing. Proliferation of fibroblasts and formation of trabecular osteoid were found to be not more proeminent within irradiated group.

KEYWORDS: Tooth extraction; lasers; wound healing.



Referências bibliográficas

1. AMLER,M.H. Pathogenesis of disturbed extraction wound. Oral Surg. Oral Med. Oral Pathol., v. 31, p.664-74, 1973.

2.______. The time sequence of tissue regeneration in extraction wounds. Oral Surg. Oral med. Oral Pathol., v. 27, p. 309-18, 1969.

3.BERNS,M.W. Lasers in Biomedicine. Laser Focus, v. 1, p. 66-71, 1983.

4. BOGATOV,V.V., DAVYDOV,B.N., SOLO,V.A. Regeneration of bone tissue after laser osteotomy of mandible. Stomatologiia, Mosk,v. 62, p. 12-4, 1983.

5. BOSATRA,M. et.al. In vivo fibroblast and dermis fibroblast activation by laser irradiation at low energy. Dermatologica, v.168, p. 157-62, 1984.

6. BRUNNER,R. et al. Applications of laser light of low power density. Experimental and clinical investigation. Curr. Probl. Dermatol.,v. 15, p. 111-6, 1986.

7. CARVALHO,A.C.P., OKAMOTO,T. Estudo preliminar sobre os efeitos da predinisolona no processo de reparo em feridas de extração dental: Estudo histológico em ratos. Ars Cvrandi Odontol., v.8, p.60-3, 1981.

8. CONWAY,H. Principles of wound healing with indication for use on several types of skin grafts. Surg.Clin. North Am., v.32, p. 419-44, 1952.

9.EULER,H. Die heilung von extraktionswounden. Dt.Mschr.Zahnheilk., v.41, p. 685-9, 1923.

10. GOUSUEN, L. C. et. al. Processo de reparo em feridas de extração dental após tiroparatiroidectomia: Estudo histológico em ratos. Rev. Bras. Pesq. Med. Biol., v. 5, p. 229-35, 1972.

11. GRANDINI,S.A., MIGLIORINI, R.H., OKAMOTO,T. Processo de reparo em feridas de extração dental em ratos com diabete aloxânico (estudo histológico). Bol. Fac. Farm. Odontol. Ribeirão Preto, v. 7, p. 41-71, 1970.

12. JAGGER,J. apud: WOLBARSHT,M.L. Laser application in medicine and biology. New York: Plenum, 1971. v. 1, p. 67.

13. JAVAN,A., BANNET, W. B., HERRIOT, T. R. appud: GOLDMAN, L. Biomedical aspects of laser. New York: Springer-Verlag, 1967, p. 2.

14. KARU, T. I. Photobiology of lower-power laser effects. Health Phys., v. 56, p. 691-704, 1989.

15. LABBE, R. F., RETTMER, R. L., DAVIS, H. A. Low power laser stimulation of biochemical process. SPIE, v. 908, p. 155-8, 1988.

16. LABBE, R. F. et al. Laser photobioactivation mechanisms: in vitro studies using ascorbic acid uptake and hydroxiproline formation as biochemical markers of irradiation response. Laser Surg. Med. v. 10, p. 201-7, 1990.

17. LINDNER, I.Die morphology der wundheiling longenbecks. Arch. Klin. Chir., v. 301, p. 39-70, 1962.

18. MESTER, E., YASZSAGI-NAGY, E. The effect of laser radiation on wound healing and collagen synthesis. Stud. Biophys., v. 35, p. 227-30, 1973.

19. OKAMOTO, T. Estudo bioquimico da reatividade do tecido conjuntivo alveolar após extrações dentais. Araçatuba, 1964. Tese (Doutorado) - Faculdade de odontologia de Araçatuba.

20. OKAMOTO, T., RUSSO, M. C. Wound healing following tooth extration: histochemical study in rats. Rev. Fac. Odontol. Araçatuba, v. 2, p. 153-69, 1973.

21. OKAMOTO, T. et al. Implante de Boplant em alvéolos dentais: estudo histológico em ratos. Rev. Fac. Odontol. Araçatuba, v. 3, p. 13-21, 1974.

22. PASSI, P., TERRIBLE, W. M., MIOTTI, F. Glieffetti della luce laser 904 nm su lesione indotte nella mandibola del rato. Riv. Ital. stomatol., v. 53, p. 449-56, 1984.

23. RUSSO, M. C., OKAMOTO, T., SANTOS-PINTP, R. Parathormone effect on the healing of extraction wounds in rat: histological study. Bull. Tokio Dent. Coll., v. 10, p. 12-8, 1969.

24. SANCHES, M. G., OKAMOTO, T., CARVALHO, A. C. P. Processo de reparo em feridas de extração dental após implante de " osso anorgânico": estudo histológico em ratos. Rev. Fac. Odontol. Araçatuba, v. 26, p. 125-8, 1972.

25. SHAWLOW, A. L., TOWNES, C. H. He-Ne Laser. Phys. Rev., v. 112, p. 1940-5, 1958.

26. TAKEDA, Y. Irradiation effect of low-energy laser on alveolar bone after tooth extraction: experimental study in rats. Int. J. Oral maxillofac. Surg., v. 17, p. 338-91, 1988.

27. VERHULST, J., VERHULST, D. Le laser in otholaryngologie. Rev. Laryngol. Orol. Rhinol., v. 100, p. 247-58, 1979.

28. WILDER-SMITH, P. The soft laser: therapeutic tool or popular placebo? Oral Surg. Oral Med. Oral Pathol., v. 66, p. 654-8, 1988.


Para Saber Mais


Núcleo de Informática Biomédica, Universidade Estadual de Campinas, Caixa Postal 6005, Campinas, SP 13081-970. Tel. (019) 239-7130, Fax (019) 239-4717


Email: cov@nib.unicamp.br
 
www.nib.unicamp.br


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos