Câncer/Oncologia/Tumor - Câncer de Ânus
Esta página já teve 110.809.325 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.765 acessos diários
home | entre em contato
 

Câncer/Oncologia/Tumor

Câncer de Ânus

14/06/2004

 
O que é ânus?

O ânus é a parte final do intestino grosso. É uma espécie de anel formado por músculos que controla a saída de fezes.


O que é o câncer de ânus?

É um tipo raro de câncer, que apesar de estar próximo ao cólon e reto, comporta-se de maneira diferente, e portanto, tem também tratamento diferente.


Quais as causas do câncer de ânus?

As causas do câncer de ânus não são estabelecidas, porém, há alguns fatores de risco que aumentam à chance de desenvolver câncer anal:

  • HPV (Papilomavírus humano): parece ser um fator de risco importante. Existem estudos em andamento neste hospital sobre o HPV e o câncer anal, de colo de útero e de pênis.
  • Idade: a maioria dos pacientes com câncer anal tem mais de 50 anos.
  • Sexo anal: a prática de sexo anal, particularmente se iniciada antes dos 30 anos, oferece maior risco de câncer anal. Isto pode estar relacionado ao trauma no local ou a doenças transmissíveis
  • Inflamação crônica: pessoas com inflamação crônica no ânus (fístula, fissuras, abcessos) podem ter maior risco de desenvolver câncer do canal anal.
Como o câncer de ânus pode ser diagnosticado de forma precoce?

O câncer de canal anal pode ser diagnosticado em estágios iniciais. Recomenda-se o toque retal uma vez por ano, mesmo quando não há sintomas, a partir dos 50 anos.


Quais são os sinais e sintomas do câncer de canal anal?

Os principais sinais e sintomas do câncer de canal anal são:

  • coceira, ardor ou dor no ânus;
  • ferida na região anal;
  • dor ou sangramento nas evacuações;
  • secreção anal;
  • nódulo ou caroço anal, mesmo sem dor;
  • mudança no hábito intestinal, ou no tamanho e forma das fezes.

Os sintomas do câncer do ânus são comuns a outras doenças, por isso, ao apresentar um dos sintomas acima relacionados consulte um médico.

Como é realizado o diagnóstico do câncer de ânus?

Na consulta o médico irá perguntar sobre a saúde do paciente e realizará um toque retal. Pode ser solicitado um dos exames abaixo:

  1. proctoscopia: exame que visualiza o reto e o ânus;

  2. ultrassom transretal: exame de imagem, que verifica a presença de alterações no reto e canal anal.

Ver Colonoscopia

Se durante a proctoscopia for encontrada uma lesão será realizada uma biópsia, que é um exame realizado com uma amostra de tecido, para verificar a presença de células malignas.

O que é estadiamento? Como é realizado?

Após o diagnóstico de câncer de ânus deve ser planejado o tratamento.
O tratamento depende principalmente do estadiamento e das condições gerais do paciente.

O estadiamento significa a avaliação da extensão da doença. O estadiamento leva em conta três fatores: o tamanho do tumor, a invasão dos linfonodos (gânglios) e a presença de metástases (implantes em órgãos, como o pulmão ou fígado).

A partir dessa avaliação a doença é classificada em um estádio que vai de 0 a 4. Quando mais baixo o estádio, menor a extensão da doença.

Como é o tratamento do câncer de ânus?

Até a década de setenta todos os pacientes com câncer do canal anal eram submetidos à amputação do reto e do ânus, com colostomia definitiva. Com o desenvolvimento de técnicas conjuntas de Radioterapia e Quimioterapia, hoje cerca de 80% dos casos são controlados sem cirurgia, apenas com tratamento conservador.

A escolha do tratamento depende do tipo de tumor, do estádio e das condições do paciente. Os três tipos principais do tratamento do câncer anal são: radioterapia, quimioterapia e cirurgia.

Tratamento cirúrgico
Há dois tipos de tratamento cirúrgico utilizados no câncer anal:

  1. ressecção local: se o câncer é pequeno e superficial, é realizada uma ressecção local. Nesta cirurgia o tumor é retirado junto com um tecido normal que envolve o tumor. Geralmente, neste tipo de cirurgia, o esfíncter (músculo que abre e fecha o ânus) não é lesado. Isto significa que as fezes serão eliminadas da forma normal.

  2. ressecção abdômino-perineal: este tipo de cirurgia remove o ânus e o reto. Como eles são retirados é necessário fazer uma saída para as fezes. Esta abertura é realizada no abdome e é chamada de colostomia (ver cuidados com estomas).

Efeitos colorretais da cirurgia
A cirurgia causa dor temporária que é controlada com analgésicos. É importante que o paciente relate ao enfermeiro sobre a presença da dor para que possa ser medicado.

Quimioterapia
Quimioterapia é o uso de drogas para matar as células do câncer. É um tratamento sistêmico, pois a droga passa por todo o corpo através do sangue. A quimioterapia no câncer de ânus é utilizada para aumentar o efeito da radioterapia.

A quimioterapia é dada em ciclos, ou seja, o indivíduo recebe a quimioterapia e depois permanece algumas semanas em descanso, pois é necessário que o organismo se recupere.

A maioria dos pacientes realiza a quimioterapia em regime ambulatorial, ou seja, o paciente comparece ao ambulatório, recebe a quimioterapia e vai para casa no mesmo dia.
As drogas mais utilizadas são o flurouracil, a mitomicina e a cisplatina.

Efeitos colaterais da quimioterapia
A quimioterapia não é específica para as células cancerosas, ou seja, atinge todas as células do organismo. É realizada por via venosa e circula através do sangue por todo organismo. Os efeitos colaterais variam de acordo com a dose e as condições de cada paciente. É importante lembrar que os efeitos da quimioterapia são temporários e desaparecem ao final do tratamento.

Radioterapia
É o uso de um tipo de radiação (semelhante aos Raios-X) que causa a destruição das células. É um tratamento local, pois afeta somente a área tratada.

A radioterapia no canal anal é dada através de uma máquina. O paciente recebe a radiação por cinco dias seguidos e descansa nos finais de semana.

Efeitos da radioterapia
Assim como a quimioterapia, a radioterapia não diferencia as células normais das células cancerosas. Os efeitos da radioterapia dependem do local do corpo que é tratado. No caso do câncer de canal anal, os efeitos mais comuns são: cansaço, irritação da pele, diarréia e irritação na bexiga. A pele volta ao normal em 6 a 12 meses.

O que acontece após o tratamento do câncer de canal anal?

Após o tratamento, o paciente deve ser acompanhado pelo médico regularmente, que irá informar quando devem ser marcados os retornos. Antes das consultas o paciente deverá fazer exames de sangue, radiografias e tomografias para verificar se o tumor voltou.

Palavras finais

O diagnóstico de câncer implica vários desafios. É natural que o paciente e a família possam sentir-se com medo, frustados e confusos. É importante que todos estejam informados sobre a doença e o tratamento. A melhor forma de lidar com estes sentimentos é através da comunicação. Todos devem compartilhar seus sentimentos e temores. É possível recorrer ao apoio profissional, disponível no Hospital do Câncer A.C. Camargo, onde se percebe que várias pessoas estão enfrentando a doença como você e que é possível superar o problema.

Faça o possível para manter-se saudável. Evite fumar e consumir bebidas alcoólicas.

Tenha uma dieta saudável, seguindo as orientações da nutricionista.

O tratamento do câncer pode deixá-lo cansado. Nestes casos permita-se descansar e adapte as atividades ao seu ritmo.

Lembre-se que é fundamental esclarecer as dúvidas com o médico ou enfermeira a respeito do tratamento e os principais cuidados com a saúde.


www.hcanc.org.br


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos