Laser - Tratamento de Nevus de Ota com Q-Switched Ruby Laser
Esta página já teve 132.479.731 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.703 acessos diários
home | entre em contato
 

Laser

Tratamento de Nevus de Ota com Q-Switched Ruby Laser

03/10/2004
 

Tratamento de Nevus de Ota com Q-Switched Ruby Laser - Relato de Caso

Borelli, Dra. Shirlei S. - dermatologista

Jorge, Dra. Ana Paula F. - dermatologista

O Nevus de Ota foi descrito originalmente por Ota e Tanino em 1939. Foram descritos 4 tipos baseados na localizao e intensidade da cor;

Tipo I : Unilateral

Tipo II : Bilateral

Tipo III : Congnito

Tipo IV : Adquirido

Nevus de Ota uma leso macular, azul-acinzentada, que atinge rea inervada pelo nervo trigmeo e/ ou seus ramos. ( por exemplo: nervo oftlmico )

Atualmente existem tentativas de se classificar mais detalhadamente o Nevus de Ota , de acordo com a localizao, correlacionando a rea comprometida com o ramo do nervo trigmeo correspondente.

Histologicamente o Nevus de Ota classificado como uma leso benigna, localizada na derme papilar e reticular superior.

A pigmentao desta leso devida a melancitos intradrmicos que produzem melanina ativamente.

O Q-Switched Ruby Laser atinge um comprimento de onda de 694 nm ( luz vermelha ), pulsado ( de 20 a 40 nsegundos ) e tem se mostrado altamente efetivo no clareamento de tatuagens, assim como leses pigmentadas da pele. Devido ao seu comprimento de onda de 694 nm ( longos comprimentos de onda correspondem a uma penetrao mais profunda na pele ) o Q-Switched Ruby Laser mais efetivo para clarear leses drmicas profundas, no caso os Nevus de Ota.

Mecanismo de Ao

Acredita-se que o clareamento da leso, sem deixar cicatriz, se deve ao mecanismo de fototermlise seletiva onde, apenas o alvo cromforo atingido, sem leso da pele ao redor. Isto ocorre pois a amplitude do pulso escolhido menor ou igual ao tempo de relaxamento trmico do alvo, no caso os melanossomos ( estes possuem um tempo de relaxamento trmico rpido, de 50 a 100 nsegundos e o Q-Switched Ruby Laser produz pulsos rpidos, com amplitude entre 20 e 50 nsec ). Portanto o melanossomo alvo, seletivamente, absorve a luz do laser levando ao aumento da temperatura, que por sua vez causa um dano trmico do mesmo e por fim sua destruio. Os macrfogos, ento, se encarregam de retirar os restos celulares do melanossomo destrudo.

Caso clnico

MGML, 34a, feminina, Brasileira, branca, natural e procedente do Paran, casada, apresenta em regio periocular , temporal e malar esquerda mcula azul-acinzentada, desde o nascimento e que foi diagnosticada clinicamente como Nevus de Ota. A Paciente procurou nosso servio para tentar o clareamento da leso h 13 meses.

ota1.jpg (10758 bytes)

1.antes do tratamento

H 12 meses iniciamos o tratamento com o Q-Switched Ruby Laser. At o momento foram realizadas 7 sesses, sempre sob anestesia local com xylocana 2%. Os parmetros do aparelho variaram entre 7,1 e 10,0 joules/cm2 e o comprimento de onda sempre longo. Os resultados at o momento se mostram satisfatrios.

ota2.jpg (4839 bytes)

2.depois do tratamento

Concluso

O tratamento do Nevus de Ota com o Q-Switched Ruby Laser tem sido reportado como excelente teraputica a esta patologia, sem causar danos pele, portanto com resultado esttico timo, sem cicatriz. Outros procedimentos cirrgicos poderiam ser adotados, porm sempre determinando a troca do nevus por uma cicatriz.

Acreditamos que a potncia ideal de teraputica nestes casos de 10 joules/cm2. Em todos os nossos casos tratados no houve mudana de textura ou cicatrizes na pele, da indic-lo como excelente sugesto teraputica para esta patologia, onde, at ento no havia soluo esteticamente adequada.

Referncias bibliogrficas

  1. Ota M, Tanino H, Nevusfusco-caeruleus opthalmo-maxillaris and melanosis bulbi. Tokoyo Fji Shinshi 1936:63:1243-5 ;
  2. Hori Y, Takayama O, Ciscumscribed dermal melanoses: classification and histologic features. Dermatol Clin 1988:6:315-26 ;
  3. Hidano A, Kajama H, Ikeda S, et al. Natural history of nevus of Ota. Arch Dermatol 1967:95:187-95 ;
  4. Hirayama T, Susuke T, A new classification of Otas nevus based on histopathological features. Dermatologica 1991:183:169-72 ;
  5. Fujimori Y, Treatment of nevus of Ota and nevus spilus. In Skin surface surgery. Tokio: Kokuseido, 1990:181-8 ;
  6. Kobayashi T, Microsurgical treatment of nevus of Ota. Journal Dermatol Surg Oncol 1991:17:936-41 ;
  7. Lowe N.J, at al. Journal of AAD 1993:29:997-1001 ;
  8. Goldberg D.J, Journal Dermatol Surg Oncol 1993:19:376-379

www.cosmiatria.com.br


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos