- Diretrizes para o tratamento da sndrome de abstinncia alcolica
Esta página já teve 133.069.291 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.665 acessos diários
home | entre em contato
 

Álcool

Diretrizes para o tratamento da sndrome de abstinncia alcolica

11/10/2004
Management of Alcohol Withdrawal Delirium: An Evidence-Based Practice Guideline.

Mayo-Smith, MF
Beecher, LH
Ficher TL
Gorelick, DA

Fonte: Archives of Internal Medicine; 164 ;1405-1412; 2004

Publicao recente da revista Arquives of Internal Medicine formulou diretrizes para o tratamento da sndrome de abstinncia alcolica.

 
A dependncia do lcool ocorre em aproximadamente 15 a 20% das internaes hospitalares, sendo que a sndrome de abstinncia alcolica (SAA) a complicao mais freqente.
Embora os sintomas possam ser leves e sem alteraes importantes da conscincia, casos graves podem ocorrer, inclusive fatais.

O delirium tremens a manifestao mais grave da SAA e incide em aproximadamente 5% dos casos.
As manifestaes clnicas da SAA podem iniciar aps algumas horas da ltima ingesto alcolica, mas o delirium no costuma aparecer antes de 2 ou 3 dias de abstinncia e remite em 48 a 72 horas, embora haja relatos de casos que duraram muito mais.

O DT se caracteriza por confuso mental, agitao, taquicardia, hipertenso, sudorese e tremores em paciente que ingere grandes quantidades de lcool e que suspende ou diminui o uso abruptamente (tabela 1). Estudos iniciais apontavam um ndice de mortalidade em torno de 15 % nos casos de DT, contudo, com os avanos no tratamento, este ndice se encontra em torno de 0 a 1% atualmente.

Dada a gravidade do caso e a importncia que o tratamento tem nestes casos que estas diretrizes tm tamanha importncia.

Tabela 1. Critrios diagnsticos pelo DSM-IV para a sndrome de abstinncia alcolica e Delirium Tremens.
Sndrome de abstinncia alcolica Delirium Tremens
A. Reduo ou suspenso abrupta do uso de lcool que estava sendo ingerido de maneira intensa e prolongada

B. Dois ou mais dos seguintes sintomas que apareceram de horas a poucos dias aps o critrio A:
  1. Hiperatividade autonmica (sudorese ou pulso > 100 bpm)
  2. Insnia
  3. Nusea ou vmitos
  4. Alucinaes ou Iluses visuais, tcteis ou auditivas
  5. Agitao psicomotora
  6. Ansiedade
  7. Convulses do tipo grande mal
C. Os sintomas do critrio B tiveram implicaes sociais, ocupacionais ou em outras reas do funcionamento.

D. Os sintomas no so conseqentes de uma condio clnica geral ou quadro psiquitrico preponderante.
A. Alterao do nvel de conscincia, por exemplo, diminuio da noo de perigo, reduo da capacidade de focar, sustentar ou mudar o foca de ateno.

B. Alterao na cognio, tais como, dficit de memria, desorientao ou prejuzo da linguagem ou o desenvolvimento de distrbios perceptivos que no existiam ou no relacionados a um quadro de demncia.

C. O transtorno inicia em um curto perodo de tempo (de horas a dias) e tende a flutuar durante o dia.

D. H evidncias da histria, exame fsico ou laboratorial que os sintomas do critrio A e B se desenvolveram durante ou logo aps uma sndrome de abstinncia alcolica.


Mtodo

As variveis estudadas foram: 1. Taxa de mortalidade
2. Durao do delirium
3. Tempo necessrio para o controle da agitao
4. Controle adequado do delirium
5. Complicaes do tratamento
6. Custos.

A reviso das evidncias foi feita no Medline e foram includos estudos envolvendo humanos e novidades clnicas no tratamento do DT (desde um relato de caso at um estudo prospectivo e randomizado, ou seja, em que os indivduos foram selecionados aleatoriamente e acompanhados durante um perodo de tempo). As referncias dos artigos tambm foram avaliadas e includas quando pertinentes.
As recomendaes baseadas em evidncias foram produzidas e hierarquizadas de acordo com os "nveis de evidncia", ou seja, uma nica recomendao no pode ser utilizada para guiar o tratamento de todos os pacientes mas as decises podem ser guiadas por uma srie de consideraes clnicas provenientes de estudos com excelncia metodolgica.
Desta forma 43 artigos foram selecionados, sendo que, 9 eram estudos prospectivos controlados.
O guideline pronto foi enviado para diversas organizaes como a Associao Mdica Americana e a Sociedade Americana de Adies para sua reviso antes da publicao.

Dentre as recomendaes das diretrizes destacamos as seguintes:

A principal classe de drogas a ser usada para o controle da sndrome a dos benzodiazepnicos, sendo os mais estudados o diazepan e o lorazepan.

Neurolticos como o Haloperidol no devem ser usados como primeira escolha, pois os trabalhos cientficos mostraram que os benzodiazepnicos so mais eficazes e bem tolerados. Podem, no entanto, ser usados em conjunto com os benzodiazepnicos, caso estes no controlem adequadamente a agitao e confuso mental.

Antihipertensivos do grupo dos Betabloqueadores como o propranolol e o atenolol no devem ser usados para o tratamento de todos os pacientes, pois no h trabalhos mostrando que o uso rotineiro destes agentes traz benefcios adicionais aos benzodiazepnicos. Estes medicamentos devem ser utilizados principalmente em indivduos que mantenham hipertenso e taquicardia mesmo com o uso dos benzodiazepnicos.

Muitas outras drogas tem sido estudadas para o tratamento do problema, incluindo carbamazepina, clonidina, dexametasona, anticonvulsivantes, bromoperidol e lcool etlico, mas at o momento no h evidncias cientficas slidas que estas drogas so eficazes.

www.einstein.br

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos