Laser - Laser de alexandrita Q-switched
Esta página já teve 134.614.779 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.668 acessos diários
home | entre em contato
 

Laser

Laser de alexandrita Q-switched

15/10/2004

 

O terceiro laser Q-switched desenvolvido para o tratamento de tatuagens, o laser de alexandrita Q-switched, tem comprimento de onda de 755 nm, largura de pulso de 100 nanossegundos (largura de pulso de 50 ns disponível nos modelos mais recentes) e taxa de repetição de 1 Hz. O feixe com diâmetro de 3 mm é transmitido através de um sistema de fibra óptica ou de um braço articulado. Estudos de refletância em 755 nm sugerem excelente absorção por pigmento negro, boa absorção pelo azul e pelo verde e má absorção pelo pigmento vermelho, como confirmado por estudos preliminares realizados em miniporcos yucatan tatuados. Uma sessão de tratamento proporcionou excelentes resultados na remoção de tinta negra, bons resultados com azul e verde e maus resultados com a vermelha. A eficácia esteve relacionada à fluência.
Diferentemente de trabalhos prévios referentes a lasers QSRL e Nd:YAG Q-switched, a cura histológica se correlacionou com a cura clínica. Não houve reação clínica ou histológica no colágeno, formação de cicatrizes ou atrofia nos pontos tratados com laser.

Fluência e sessões de tratamento

O laser de alexandrita Q-switched inicialmente foi estudado com 30 tatuagens usando fluências de 4,5 J/cm2 a 8 J/cm2. Foram avaliados pontos de teste usando 3 fluências até 6 J/cm2 em 4 semanas. A fluência apropriada foi então selecionada e iniciado o tratamento. Foi realizado um segundo teste quando nenhuma das fluências prévias revelou clareamento significativo. Fluências de 6 J/cm2 ou menos tinham clareado 20% a 50%. Aproximadamente 25% de remoção precisou de 1,7 tratamento, 50% de remoção precisou de 2,8 tratamento, 75% de remoção precisou de 5 tratamentos, 90% de remoção precisou de 6,4 tratamentos e a remoção total precisou de 10,4 tratamentos (variando de 4 a 16). As tatuagens profissionais se resolvem tão bem quanto as amadoras, embora estas últimas respondessem mais rapidamente, precisando de aproximadamente 3 tratamentos menos para alcançar a resolução completa; entretanto, algumas tatuagens profissionais responderam rapidamente também.
É comum a hipopigmentação transitória (ocorre em 50% dos pacientes), mas não costuma ficar aparente até 5 a 7 sessões e geralmente se resolve gradualmente no decorrer de 1 a 12 meses. A hiperpigmentação é mais dependente do tipo de pele e se resolve com hidroquinona e filtro solar. As alterações transitórias da textura superficial são observadas em cerca de 10% dos pacientes, havendo resolução espontânea.
O impacto do laser é seguido por embranquecimento epidérmico e edema discreto, como nos lasers QSRL e o Nd:YAG Q-switched. Quando são usadas fluências mais altas, observa-se púrpura e pode ocorre sangramento em pontos precisos. Não foram vistos respingos teciduais nem erosões em qualquer das fluências usadas com a largura de pulso de 20 nanossegundos; entretanto, a largura de pulso mais curta de 50 nanossegundos, que sabidamente aumenta a remoção da tatuagem, associa-se a mais restos epidérmicos. Em resumo, o laser de alexandrita Q-switched é eficaz e seguro para remoção de pigmento de tatuagem azul, negro e verde. Aproximadamente 4 a 10 tratamentos realizados com intervalos de 1 a 2 meses geralmente removem a tatuagem sem cicatrizes; entretanto, metade dos pacientes desenvolve hipopigmentação temporária.

Libbs


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos