-
Esta página já teve 133.069.224 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.665 acessos diários
home | entre em contato
 

Clínica médica/Intensiva/Enfermagem

Teste de Dosagem Alcoólica em Saliva É Confiável para Estimativa do Teor Alcoólico Sangüíneo em Pacientes Traumatizados

20/10/2004




Pesquisadores ligados ao Departamento de Cirurgia da Yale University, de New Haven, publicaram, recentemente, no Academic Emergency Medicine, um estudo em que procuraram determinar a acurácia do teste de dosagem alcoólica em saliva, utilizado em pacientes traumatizados como estimativa da dosagem alcoólica sangüínea.

 

Mediu-se a concentração sangüínea de álcool através do uso do teste de dosagem alcoólica em saliva e através da dosagem em sangue periférico de 100 pacientes traumatizados, admitidos em Departamento de Emergência de um centro urbano de trauma Nível 1.

 

Quarenta e um pacientes cujos testes de dosagem alcoólica em saliva foram positivos (média: 167,9 + 16,16; variação: 20-350mg/dL) também tiveram testes de dosagem alcoólica em sangue periférico positivos (média: 197,6 + 13,79; variação: 22-446mg/dL). A correlação entre ambos os testes positivos foi significante (0,879; p<0,001). Dos 61 pacientes restantes, 59 indivíduos apresentaram ambos os testes negativos, enquanto que dois pacientes apresentaram concentração sangüínea de álcool inferior a 30mg/dL e resultado negativo no teste de dosagem alcoólica na saliva. Em 18 indivíduos que apresentaram sangue em orofaringe à admissão no Departamento de Emergência, houve correlação entre os testes igual a 0,976 (p<0,001).

 

Portanto, os pesquisadores concluíram que o teste de dosagem alcoólica em saliva é confiável para estimativa do teor alcoólico sangüíneo em pacientes traumatizados, não havendo interferência da presença de sangue em orofaringe sobre o resultado do teste.

The Saliva Strip Test Is an Accurate Method to Determine Blood Alcohol Concentration in Trauma Patients - Academic Emergency Medicine; 2004; 11(8): 885-887

The Saliva Strip Test Is an Accurate Method to Determine Blood Alcohol Concentration in Trauma Patients

Linda C. Degutis, DrPH, Reuven Rabinovici, MD, Alfredo Sabbaj, MD, Rebecca Mascia, BS and Gail D'Onofrio, MD, MS

From the Department of Surgery, Section of Emergency Medicine, Yale University, New Haven, CT (LCD, AS, RM, GD); and the Department of Surgery, Section of Trauma and Surgical Critical Care, Yale University, New Haven, CT (RR)

Address for correspondence and reprints: Linda C. Degutis, DrPH, Section of Emergency Medicine, 464 Congress Avenue, Suite 260, New Haven, CT 06519. Fax: 203-785-4580; e-mail: linda.degutis@yale.edu.

Objectives: To determine the accuracy of alcohol saliva testing (AST) in trauma patients. Methods:Blood alcohol concentration (BAC) was measured by using both AST (QED A350; STC Technologies, Bethlehem, PA) and blood serum levels in 100 trauma patients admitted to the emergency department of an urban Level 1 trauma center. Results: All 41 patients who tested positive for BAC on AST (mean [±SD]: 167.9 ± 16.16; range: 20–350 mg/dL) also tested positive on serum determination (mean: 197.6 ± 13.79; range: 22–446 mg/dL). Correlation between the two positive tests was significant (0.879, p < 0.001). Of the remaining 61 patients, 59 tested negative on both tests, while two patients with BACs of <30 mg/dL tested negative on the AST. For 18 patients with blood in the oropharynx, there was a correlation of 0.976 (p < 0.001, two-tailed) between serum and AST tests. Conclusions: The AST method of measuring BAC in trauma patients is accurate. Blood in the oral cavity did not appear to affect the accuracy of the test.

Key words: alcohol saliva testing; saliva testing; trauma; blood alcohol concentration; testing



IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos