-
Esta página já teve 134.548.291 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.674 acessos diários
home | entre em contato
 

diagnóstico e laboratório

Genotipagem de Apolipoproteína E e Doença de Alzheimer

01/01/2005

A apolipoproteína E (apo E) é uma proteína plasmática envolvida no transporte de colesterol e outras moléculas hidrofóbicas. Ela é codificada por um gene localizado no cromossomo 19. O gene da apo E possui três alelos comuns, E2, E3 e E4, que codificam isoformasdistintas da apo E, E2, E3 e E4. A heerrança dos genes da apo E é mendeliana, resultando em seis genótipos e fenótipos, três homozigotos e três heterozigotos.

Desde a década de 80, sabe-se que a maioria dos pacientes com a forma familiar de hiperlipoproteinemia tipo III (HLP III), há um aumento do colesterol e triglicerídeos plasmáticos em conseqüência de um distúrbio da depuração dos resíduos de quilomícron e VLDL, devido a um defeito na apolipoproteina E. Esta dislipidemia está associada à doença coronariana familiar de início precoce.

A apo E4 é um fator de risco para a doença de Alzheimer (DA) esporádica ou familiar de início tardio (idade > 65 anos). Foi constatado que 34% a 65% dos pacientes com estas formas de DA possuem o alelo E4, enquanto ele está presente em cerca de 24% a 31% da população adulta não afetada. Esta associação entre DA e a apo E4 foi demostrada em estudos europeus, norte-americanos e japoneses.

Há evidências da existência de um efeito-dose do alelo E4, isto é, o risco de DA aumenta e a idade de inicio da doença decresce com o número de alelos apo E4. Também há evidências preliminares de que o alelo E2 poderia ter um papel protetor contra a DA, embora haja desacordo entre diversos autores.

A metodologia de escolha para se determinar o polimorfismo da apo E é a genotipagem. A técnica envolve uma reação em cadeia da polimerase (PCR) e um estudo do poliformismo do tamanho dos fragmentos de restrição (RFLP). Uma PCR é realizada sobre o DNA genômico isolado do sangue periférico do paciente. O fragmento apo E amplificado é então digerido com uma de restrição, que diferencia entre os alelos alternativos.

A recomendação do "American College of Medical Genetics / American Society of Human Genetics Working Group on ApoE and Alzheimer Disease" é de que a genotipagem da apo E não deve ser utilizada para o diagnóstico de rotina da doença e nem como teste preditivo.

Ela deve ser avaliada no contexto de uma abordagem global de um paciente demenciado com suspeita de doença de Alzheimer, no qual vários dados clínicos, laboratoriais e de imagem contribuem para o diagnóstico final.

www.dle.com.br


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos