gastronomia - Doces dos conventos de Portugal
Esta página já teve 134.691.122 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.664 acessos diários
home | entre em contato
 

gastronomia

Doces dos conventos de Portugal

31/01/2005


Doces Conventuais - Portugal

Sobre o que se diz sobre doces portugueses com nomes de santos e anjos, e não só, são denominados "Doces Conventuais", exactamente por terem "nascido" nos Conventos. Os Conventos ou Mosteiros, a maior parte deles fundados por reis e príncipes (para além dos instituídos por autoridades clericais), eram por eles dotados de foros , mercês e padroados que lhes garantiam subsistência abastada e farta, até 1834, data da extinção das ordens Religiosas em Portugal.
Os conventos acolhiam nas suas Regras as filhas da nobreza e das famílias mais ricas que, além dos seus dotes de importantes rendas, traziam consigo hábitos de alimentação e receitas familiares que deram a origem a requintadas preparações gastronómicas e a doçaria rica e por vezes complicada.



Guardados ciosamente os segredos das composições e dos métodos de preparação, as receitas eram propriedade do convento que as freiras se comprometiam a ocultar toda a vida.
É claro que sempre aconteciam algumas "fugas de informação", especialmente das preparações mais fáceis e muito provavelmente as menos dispendiosas. Assim foram entrando nas tradições portuguesas os clássicos da doçaria sazonal: o arroz-doce, o pão-de-ló, a aletria doce e tantos outros.
Ganhou renome na Europa a doçaria portuguesa, farta de açúcar e ovos. Os requintes da doçaria rica seriam seleccionados para as grandes personalidades e ocasiões de pomba; e, para os indivíduos de menor estrutura social, estariam indicados os bolinhos e biscoitos que as congregações classificavam de doçaria pobre. Todas estas guloseimas sedutoras para quem a elas não estava acostumado, eram verdadeiras maravilhas que saíam das mãos prendadas das freiras.
Durante cerca de setecentos anos, este saber foi-se acumulando e evoluindo com novos ingredientes, mil-e-uma experiências e a longa prática das monjas que lhes dedicavam intermináveis horas de trabalho, paciência e devoção, desafiando invejas e mascarando o seu inevitável amor-próprio pela obra bem conseguida. Confrontadas com a necessidade imperiosa de ganharem o seu pão de todos os dias, algumas freiras começaram a tirar partido das suas "prendas" manuais (costuras, bordados e rendas) mas, muito em especial, das receitas da requintada doçaria pelas quais os seus conventos se tinham tornado tão famosos.
E assim, e graças à investigação de muitos estudiosos que "traduziram" as notas manuscritas de muitos arquivos dos mosteiros, vieram saindo a público e ao domínio de muitas mãos leigas as maravilhas dos doces conventuais.
Roteiro Gastronómico de Portugal

www.gastronomias.com

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos