-
Esta página já teve 133.160.310 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.659 acessos diários
home | entre em contato
 

Cirurgia Plástica

Cirurgia plástica das orelhas -otoplastia

04/03/2005

As opiniões de outros especialistas podem diferir um pouco, mas no geral há certa unanimidade, pois estão baseadas em preceitos ditados pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica que se constitui em uma importante fonte de informações deste texto.

 

 

Indicação:

É indicada quando o aspecto estético das orelhas destoa do padrão convencional. A alteração nas orelhas mais freqüente no consultório é a chamada “orelha em abano” que na maioria das vezes se constitui em uma identificação negativa que levam a caçoadas na infância trazendo como conseqüência marcas profundas no comportamento da criança. Assim é que existe uma idade ideal para se fazer a cirurgia de correção do abano, dos cinco aos sete anos por se tratar do período pré-escolar (nessa fase começam os problemas de ordem psicológica) e a orelha já está totalmente formada e quase igual ao tamanho daquela do adulto podendo ser operada.

 

Antes da Cirurgia: Avisar se apresentar gripe, indisposição ou quaisquer outras intercorrências por ocasião da data da cirurgia.

Não beber e não tomar medicamentos por uma semana antes da cirurgia a não ser os prescritos pelo médico. Não tomar antiinflamatórios por no mínimo 15 dias antes da cirurgia.

Internar-se no hospital determinado no mínimo uma hora antes do horário previsto, em jejum absoluto de 8 horas (no caso de anestesia geral) e portando os exames pré-operatórios.

 

Risco de Complicações: Raramente a cirurgia plástica das orelhas sofre complicações sérias. Isto se deve ao fato de se preparar devidamente cada paciente com criteriosos exames e avaliação pré-operatória, além de ponderarmos sobre a conveniência de associação desta cirurgia, simultaneamente a outras. O perigo não é maior ou menor que viajar de avião, automóvel, ou atravessar uma via pública.

Geralmente não é uma cirurgia dolorosa desde que você obedeça às instruções médicas.

Caso haja dor, principalmente em crianças, esta prontamente cessará com o

uso de analgésicos comuns prescritos por ocasião da alta hospitalar.

   

Anestesia: Criança: anestesia geral. Adulto: anestesia local com ou sem sedação.

 

Duração da Cirurgia: Dependendo de cada tipo de orelha, a média é de 1 a 2 horas dos dois lados, o importante é se conseguir o melhor resultado e simetria possíveis.

 

Cicatrizes: A cicatriz desta cirurgia é praticamente invisível, por localizar-se atrás da orelha, no sulco formado por esta e o crânio. Além do mais, como se trata de região de pele muito fina, a própria cicatriz tende a ficar “quase imperceptível”.

 Pós-operatório: É deixado um curativo pequeno com uma fina proteção de gesso em alguns casos que permanecerá por uma semana. Os pontos geralmente serão retirados com 10 dias da cirurgia.  Protege-se a orelha (principalmente em crianças), nos primeiros dias, com uma espécie de touca, a fim de evitar traumatismos locais. Em alguns casos, recomenda-se o uso das faixas tipo "ballet" ou "tênis".  

Assim que se retira o curativo já teremos em torno de 80 % do resultado almejado. Após 12 semanas, o resultado será definitivo.

Desde que devidamente conduzida a cirurgia, o resultado será definitivo. Convém salientar que uma leve assimetria poderá ocorrer, pois, mesmo as pessoas não operadas e que tenham orelhas normais, não apresentam simetria absoluta.

 

Este texto trata-se de uma introdução sobre o tema não pretendendo esgotar suas dúvidas. Caso queira se aprofundar mais no tema procure o seu médico de confiança ou, se preferir, entre em contato com o e-mail elodiaavila@uol.com.br e terei grande prazer em procurar esclarecer suas dúvidas.


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos