-
Esta página já teve 132.437.270 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.708 acessos diários
home | entre em contato
 

Notícias da Dra. Shirley

Peixe cru causa surto de doença em SP, 18 casos foram anotados no ano

06/04/2005
 
5/4/2005

A cidade de São Paulo vive surto de uma infecção adquirida pelo consumo de peixe cru (sushi e sashimi), defumado ou mal-cozido. De março de 2004 a março deste ano, foram registrados 28 casos da difilobotríase, doença transmitida pelo parasita Diphyllobothrium spp --18 das ocorrências foram anotadas neste ano.

De 1998 até 2004, o Estado havia notificado apenas dois casos da doença, ambos em pessoas estrangeiras, que haviam consumido peixe cru fora do país. É a primeira vez que se registram casos autóctones no Brasil. Na América do Sul, há confirmação de casos no Chile, Peru e Argentina.

Os principais sintomas da doença são dor e desconforto abdominal, flatulência e diarréia. Também são relatados vômito, perda de peso e anemia megaloblástica, já que o parasita absorve vitamina B-12 do organismo. Só 20% dos infectados têm sintomas.

O CVE (Centro de Vigilância Epidemiológica) da Secretaria da Saúde (SP) publicará nesta semana uma portaria em que recomenda o congelamento do peixe por pelo menos 24 horas, a -18ºC, para consumo da carne crua, para tentar conter o surto. Recomendação semelhante já é feita pela agência de fármacos e alimentos dos Estados Unidos, FDA.

Mas a própria vigilância epidemiológica admite que o congelamento por si só pode não conter o surto da doença porque não está comprovado, cientificamente, que a baixa temperatura mate ou inative o parasita. "Ainda não sabemos se a aplicação dessa norma trará resultados. É só uma tentativa de impedir a evolução desse importante surto", diz o diretor do CVE, Carlos Magno Fortaleza.

Restaurantes de comida japonesa afirmam que o congelamento é uma prática rotineira e que não causa prejuízo ao sabor dos pratos. Fortaleza diz que os estabelecimentos não devem ser responsabilizados, pois é impossível identificar o parasita visualmente.

A Folha apurou que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) também prepara uma resolução em que deve criar normas para o consumo e importação de peixe cru no país.

A principal suspeita recaiu sobre o salmão porque relatos na literatura o colocam, ao lado do robalo, como principal hospedeiro do parasita. Hoje, o salmão é o único peixe importado --principalmente do Chile-- para a produção de sushi e sashimi.

Porém ainda não ficou demonstrado que ele seja o responsável pelo surto em São Paulo. Técnicos da vigilância estão recolhendo amostras de salmão para localizar o parasita, mas não descartam a possibilidade de espécies de peixes paulistas ou da costa brasileira estarem contaminadas.

O verme vive na musculatura do peixe (no caso do salmão, nos nervos). Ao ser consumido cru, fixa-se no intestino delgado, onde pode viver até dez anos e atingir dez metros de comprimento.

O alerta sobre o surto foi dado pelo laboratório Fleury, responsável por 24 das 28 notificações. De acordo com o patologista clínico Jorge Luiz Mello Sampaio, as pessoas infectadas relataram ter consumido sushis e sashimis em diferentes regiões da cidade, o que sugere não haver um foco específico de contaminação.

Alguns pacientes assintomáticos, inclusive crianças, souberam da infecção ao observar pedaços do parasita nas fezes. Assustados, fizeram o exame, que acabou comprovando a doença.

Os nomes dos restaurantes freqüentados pelas vítimas já foram repassados às autoridades de vigilância para que haja um levantamento das espécies, dos fornecedores e da procedência.

O tratamento é feito com a substância praziquantel, em dose única. A recomendação do médico é que seja feito também um hemograma para verificar se há anemia e, se for o caso, tratá-la.
 
  (Fonte: Folha ONline)


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos