-
Esta página já teve 132.508.054 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.703 acessos diários
home | entre em contato
 

Endocrinologia/Glândulas

Deficiência de hormônio do crescimento

21/06/2005

Comum em idosos, somatopausa também afeta adultos jovens

Um problema até pouco tempo considerado exclusivo dos crianças está comprometendo a qualidade de vida também de adultos e idosos. A somatopausa, nome dado à deficiência gradual e progressiva dos níveis do hormônio do crescimento (GH) no organismo - e que se acentua principalmente após os 60 anos - é mais freqüente do que se imaginava e pode explicar a presença de uma série de sintomas.

O alerta é do endocrinologista Geraldo Santana, diretor do Instituto Mineiro de Endocrinologia. Segundo ele, redução de massa muscular, perda da sensação de bem-estar, piora do vigor mental, aumento da gordura abdominal, pele seca e enrugada, entre outros, podem ser indícios de que algo não vai bem com a produção do GH.

Secretado principalmente à noite, durante as fases de sono profundo, o GH na infância e adolescência promove o crescimento da estatura e participa no aumento da massa muscular. Durante muito tempo, acreditou-se que sua principal função estava relacionada apenas ao crescimento, principalmente porque, nas crianças que apresentavam problema de baixa estatura, o problema era corrigido após a reposição. "Entretanto, começou-se a observar que alguns adultos que tiveram deficiência na infância apresentavam envelhecimento precoce, fraqueza muscular e tendência à obesidade abdominal", comenta o especialista. Daí, sua importância para o organismo em todas as fases da vida.

SINTÉTICO Segundo Geraldo, para o tratamento de reposição de GH, está indicado o hormônio de crescimento sintético (HGH) que somente após os anos 80, foi sintetizado em laboratório por meio da engenharia genética. Visto por muitos como a "fonte da juventude", já que é considerado capaz de minimizar e retardar os efeitos do envelhecimento, é preciso ter cuidado para que não tenha sua indicação banalizada e, pior, que não sejam respeitados critérios de segurança.

Após estudos feitos nos anos 90, que comprovaram os benefícios do GH na melhora do vigor físico e mental, um grande numero de produtos, geralmente à base de aminoácidos, passaram a ser vendidos prometendo estimular a secreção de GH pelo organismo. Todas essas promessas, entretanto, não têm qualquer embasamento científico.

Atualmente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) só recomenda o uso do hormônio do crescimento para casos em que a deficiência foi comprovada e é prejudicial ao indivíduo. Definir o nível de comprometimento da qualidade de vida do paciente é importante, porque mesmo com níveis mais baixos de GH, algumas pessoas não precisam ser tratadas. O motivo é que a somatopausa pode se apresentar com intensidades diferentes de pessoa para pessoa e isso quer dizer que a reposição nem sempre será necessária.

"O tratamento só será efetivado quando não houver contra-indicações e a sintomatologia for significativa. É importante que, de acordo com critérios clínicos e laboratoriais, a relação custo-risco-benefício seja satisfatória para aquele paciente", afirma o endocrinologista.

Fonte: Estado de Minas, 20/06/05


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos