Meio Ambiente/Ecologia - Hyla goiana - perereca de pijama
Esta página já teve 132.448.069 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.706 acessos diários
home | entre em contato
 

Meio Ambiente/Ecologia

Hyla goiana - perereca de pijama

08/07/2005

Taxonomia:
 
Filo: Cordados
Sub-Filo: Vertebrados
Super-Classe: Tetrápodo
Sub-Classe: Diapsida
Classe: Lissamphibia
Super-Ordem: Salientia
Ordem: Anura
Família: Hylidae
Gênero: Hyla
Espécie: Hyla goiana 

Distribuição: Apresenta ampla distribuição no Brasil Central (Cruz & Caramaschi, 1998; Frost, 2002). Foi encontrada no Planalto Central de Goiás, Distrito Federal e sudeste de Minas Gerais. Só ocorre no Brasil.

Características: É uma espécie de porte médio para o gênero, pertence ao grupo da Hyla polytaenia. Dorsalmente apresenta quatro faixas longitudinais de cor creme intercaldas por três faixas estreitas marrons. O ventre é de cor creme e a região gular esbranquiçada. Não possui apêndice calcâneo (Bastos et al., 2003).

Status populacional: Hyla goiana por possuir distribuição em diversas áreas abertas no Brasil Central, não é considerada uma espécie ameaçada de extinção, sendo assim não consta na Lista Nacional das Espécies da Fauna Brasileira Ameaçadas de Extinção (IN/MMA nº. 03/03 de 27/05/03). Todavia com a crescente expansão agrícola, que vem ocorrendo nos últimos 30 anos, o Cerrado está perdendo espaço e a espécie pode tornar-se ameaçada pela supressão de habitats.

Hábitos: Os machos foram observados vocalizando em arenas de exibição, desde o solo até 2m de altura, sobre gramíneas e ramos de arbustos, próximos à margem de corpos de água (Bastos et al., 2003). As vocalizações possuem estruturas harmônicas (Guimarães et al., 2001), soando como curtos piados seqüenciais. Os girinos se desenvolvem em ambientes lênticos (Lutz, 1973 apud Bastos et al., 2003).

Alimentação: Os hábitos alimentares ainda não são conhecidos.

Reprodução: A reprodução é prolongada, onde indivíduos foram encontrados em todos os meses de observação. Os machos podem utilizar duas estratégias reprodutivas para conseguirem acasalamento: a do macho cantor e a do macho satélite (Bastos et al., 2003).

Bibliografia
BASTOS, R. P.; MOTTA, J. A. O.; LIMA, L. P.; GUIMARÃES, L. D.Anfíbios da Floresta Nacional de Silvânia, estado de Goiás. 1ª edição.Goiânia: R. P. Bastos, 2003. 82p.
CRUZ, C. A. G.; CARAMASCHI, U. Definição, composição e distribuição geográfica do grupo de Hyla politaenia Cope, 1870 (Amphibia, Anura, Hylidae). Bol. Mus. Nac., N.S., Zool, n. 329, p. 1-19, 1998.
FROST, D. R. Amphibian Species of the World: an online reference. V2.21(15 July 2002).
GUIMARÃES, L.D.; LIMA, L.P.; JULIANO, R.F. BASTOS, R.P. Vocalizações de espécies de anuros (Amphibia) no Brasil Central. Bol. Mus. Nac., N.S., Zool, n. 474, p. 1-14, 2001.


Netografia
www.herpetologia.hpg.ig.com.br/pcentralis.htm

 

www.ibama.gov.br


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos