-
Esta página já teve 134.591.188 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.668 acessos diários
home | entre em contato
 

Endocrinologia/Glândulas

Hormônio agonista liberador de hormônio luteinizante no tratamento da baixa estatura

09/08/2005

O tratamento com (LHRH) hormônio agonista liberador de hormônio luteinizante aumenta a estatura na vida adulta de crianças com puberdade precoce dependente de LHRH e é prescrito por alguns médicos para aumentar estatura de adolescentes baixos. Nós realizamos um ensaio clínico randômico para determinar se tratamento com um agonista LHRH aumenta estatura de adolescentes baixos com puberdade no tempo normal.

Métodos:cinqüenta adolescentes baixos (18 meninos e 32 meninas) com estatura prevista baixa na vida adulta (média [+DP] 3,3+1,2 DP abaixo da média da população) receberam ou placebo (24 participantes) ou um agonista LHRH (26 participantes). A duração média (+DP) do tratamento foi 3,5+0,9 anos no grupo do agonista LHRH e 2,1+1,2 anos no grupo placebo (P<0,001). Altura dos adultos foi medida quando idade óssea excedeu 16 anos nas meninas e 17 anos nos meninos e quando a taxa de crescimento foi menor do que 1,5 cm ao ano.

Resultados: quarenta e sete adolescentes (94%) foram acompanhados até atingirem altura de adulto. Na época que a altura de adulto foi alcançada, aqueles que tinham sido tratados com um agonista LHRH eram mais velhos do que aqueles que haviam recebido placebo (20,5+2,1 anos vs. 18,0+2,5 anos; P=0,01) e eram mais altos (escore do desvio padrão, -2,2+1,1 vs. -3,0+1,2; P=0,01). Análise de co-variância mostrou que tratamento com agonista LHRH resultou num aumento de 0,6 (intervalo de confiança 95%: 0,2 a 0,9) no escore de desvio padrão para altura, ou num aumento de 4,2 cm (intervalo de confiança 95%: 1,7 a 6,7), sobre a altura inicial prevista na vida adulta (P=0,01). Tratamento com um agonista LHRH resultou em altura de adulto significativamente maior do que com placebo em meninos e meninas, em adolescentes com estatura baixa idiopática e naqueles com uma síndrome limitante de crescimento. O evento adverso principal no grupo do agonista LHRH foi um acréscimo menor de densidade mineral óssea (densidade mineral óssea média de vértebra lombar na época que a altura de adulto foi alcançada 1,6+1,2 DP abaixo da média populacional, vs. 0,3+1,2 DP abaixo da média populacional no grupo placebo; P<0,001).

Conclusões: tratamento com um agonista LHRH por 3,5 anos aumenta altura de adulto de adolescentes muito baixos mas diminui substancialmente densidade mineral óssea. Tal tratamento não pode ser recomendado de rotina para aumentar altura de adolescentes com puberdade em tempo normal.

Jack A. Yanovski, Susan R. Rose, Giovanna Municchi, et al

NEJM 2003; 348: 908-917


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos