-
Esta página já teve 132.496.608 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.701 acessos diários
home | entre em contato
 

Endocrinologia/Glândulas

Hipogonadismo- roteiro diagnóstico

14/08/2005

 

  1. Hipogonadismo congênito/ Atraso puberal
    - Ausência de sinais de puberdade até os 13 anos em meninas e 14 anos em meninos.
    - Parada de desenvolvimento da puberdade.
    - Infertilidade e amenorréia primária nas mulheres e micropênis e ausência de pêlos faciais nos homens após os 17 anos de idade.

  1. Hipogonadismo Adquirido
    - Impotência e infertilidade nos homens e amenorréia primária ou secundária e infertilidade nas mulheres. Parada do desenvolvimento puberal.

    Informações importantes da história clínica e exame físico:

    - Tipo de parto
    - Hemorragia uterina ou choque hipovolêmico pós-parto (S. de Sheehan)
    - Cefaléia, alterações visuais (Tumor Hipofisário)
    - Presença de micropênis, criptorquidia
    - Defeitos da linha média (pálato fendido), displasia septo óptica
    - Uso de medicações, quimioterapia ou radioterapia prévia de região hipotálamo-hipofisária ou gonadal
    - Ginecomastia (idade de aparecimento), galactorréia
    - Alterações do olfato-hiposmia ou anosmia
    - Idade da pubarca quando presente
    - Estado Nutricional do paciente (importante para afastar Doença Crônica e Anorexia Nervosa)
    - Estigmas associados: baixa estatura ou estigmas de Síndrome de Turner,
    estigmas das síndromes de Klinefelter, Prader Willi, Laurence- Moon-Biedl, etc.
    - Sinais ou sintomas de Hipotireodismo
    - Idade do início da puberdade dos pais
    - Consangüinidade entre os pais
    - História Familiar de atraso puberal ou hipogonadismo

    Exame Físico: Peso, Altura, Envergadura, distância pubis-chão e pubis-vértice, para avaliar presença de proporções eunucóides. Caracterizar estadio puberal pelos critérios de Tanner, medir o pênis e testículos e caracterizar a consistência e localização dos testículos.

  1. Investigação Laboratorial

  1. Idade Óssea
  2. Determinações Hormonais Basais
    - LH e FSH
    - Testosteronano sexo masculino/ estradiol no sexo feminino
    - PRL (pesquisar prolactinoma), se PRL elevada dosar macroprolactinemia
    - DHEAS e cortisol (avaliação indireta da produção de ACTH pela hipófise com finalidade de avaliar panhipopituitarismo)
    - IGF1, IGFBP3 (avaliação indireta da produção de hormônio de crescimento pela hipófise com finalidade de avaliar panhipopituitarismo)
    - T4livre/TSH (afastar hipotireoidismo)

  1. Teste do GnRH:
    Se dosagens basais de LH/FSH testosterona ou Estradiol revelarem valores baixos, o diagnóstico é de Hipogonadismo Hipogonadotrófico ou de Atraso Puberal Constitucional; nesses casos, e realiza-se o teste de estímulo com GnRH, como relatado na sessão Puberdade Precoce.

    Nos pacientes pré-puberes temos duas possibilidades: 1- Resposta do LH do tipo puberal normal. Neste caso, aguarda-se o desenvolvimento puberal normal, que deverá ocorrer espontâneamente.2- Reposta do LH pré-puberal. Neste caos, o diagnóstico diferencial entre atraso puberal constitucional e hipogonadismo hipogonadotrófico não pode ser realizado. Apenas a evolução da puberdade diferencia estas duas entidades. Pode-se administrar doses baixas de hormônios sexuais durante 3 a 6 meses e observar se ocorre, na retirada da medicação, evolução espontânea da puberdade. Se isto ocorrer trata-se de atraso puberal e se não ocorrer, mesmo com a administração de um segundo tempo de tratamento, trata-se, provavelmente, de Hipogonadismo Hipogonadotrófico.
    Nos adultos, se a resposta for ausente o diagnóstico é de Hipogonadismo Hipogonadotrófico.

    O diagnóstico de Hipogonadismo Hipogonadotrófico, nos pacientes pré-puberais, é mais provável quando: pacientes com idade cronológica >= 17 anos sem nenhum sinal evidente de puberdade, pacientes com estatura normal ou elevada para a idade, pacientes com idade óssea atrasada em mais de 3 anos, pacientes sem história familiar de atraso puberal.

    Pacientes com LH e FSH elevados são portadores de Hipogonadismo Hipergonadotróficos e não necessitam ser submetidos ao teste de GnRH.

  1. Avaliação Etiológica de Hipogonadismo:

  1. Hipogonadismo Hipergonadotrófico
    Cariótipo (pesquisa de Síndrome de Klinefelter, homem XX e síndrome Turner)

  1. Hipogonadismo Hipogonadodrófico:
    RM de região Hipotálamo-Hipofisária:
    Verificar: Bulbos, tratos e sulcos olfatórios (pedir cortes coronais e sagitais do centro da órbita até o fim a região do hipotálamo) para diagnóstico de Síndrome de Kallmann; Presença de tumores (Craniofarigioma, Germinomas, Astrocitomas, Prolactinoma ou outros adenomas hipofisários) e processos inflamatórios (Histiocitose, Tuberculose, sarcoidose, etc.) da região hipotálamo hipofisária. Se positivo verificar restante da função hipofisária (TRH + ITT) como descrito em Tumores Hipofisários; Presença de Defeitos da Linha Média (ex: ausência do septum pellucidum).


Autores:
Dra. Elaine Frade Costa
Profa. Dra. Berenice Bilharinho de Mendonça

 


HCFMUSP- Endocrinologia

FM-USP


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos