Imunologia/Imunidade -
Esta página já teve 133.108.843 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.663 acessos diários
home | entre em contato
 

Imunologia/Imunidade

Leucócito ´radioativo´ é usado para detectar inflamação

01/09/2005

Técnica evita exames invasivos e aumenta a precisão do diagnóstico no intestino e nos ossos

São Paulo - Uma nova técnica de medicina nuclear promete mais conforto ao paciente que precisa fazer um exame como a colonoscopia, técnica invasiva para verificar se existe algum problema inflamatório em regiões como o intestino.

A partir de leucócitos retirados do próprio paciente, marcados com o elemento radioativo tecnécio-99m, é possível, por meio de uma cintilografia, identificar a presença ou ausência de um foco inflamatório no intestino.

“Por esse método, podemos enxergar alterações moleculares e fisiopatológicas. Além disso, esse tipo de exame é mais sensível às fases iniciais da inflamação que os demais”, explicou o professor Valbert Cardoso, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

A técnica foi apresentada na 20.ª Reunião Anual da Federação de Sociedades de Biologia Experimental (Fesbe), realizada na semana passada em Águas de Lindóia (SP).

Pouca radiação

“Não somos contra as técnicas tradicionais e nem pregamos a substituição de nada. É apenas mais um caminho, menos invasivo e que se mostrou eficiente para a detecção de doenças inflamatórias no intestino e também em ossos”, disse Cardoso.

Além de o tecnécio ter uma meia vida baixa, o que significa que a radiação permanece por pouco tempo no corpo do paciente, as imagens feitas após a injeção do elemento químico na corrente sanguínea de um grupo de 50 pessoas mostraram resultados importantes.

“A sensibilidade [porcentagem de a doença ser detectada] ficou em 95,6%, enquanto a especificidade [indicar a doença quando ela não estava presente] foi de 100%”, relatou.

Antibiótico radiomarcado

A técnica que usa leucócitos marcados com tecnécio-99m também pode ser usada, segundo o pesquisador da UFMG, para acompanhar a eficácia de tratamentos. Os resultados até agora foram considerados tão bons pelo grupo que novos passos já estão sendo dados em Belo Horizonte.

“Estamos desenvolvendo um antibiótico radiomarcado para atacar inflamações causadas por bactérias”, disse Cardoso.

O mesmo método com leucócitos já foi utilizado com sucesso para a detecção de problemas envolvendo próteses e os ossos humanos. “As vantagens da técnica são enormes”, afirma.

Agência Fapesp


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos