Nutrologia/Alimentos/Nutrição - A importância da nutrição no processo da cicatrização
Esta página já teve 115.031.158 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.738 acessos diários
home | entre em contato
 

Nutrologia/Alimentos/Nutrição

A importância da nutrição no processo da cicatrização

06/12/2005


 
A alimentação é fundamental para a saúde e o bem estar, sendo também importante no processo de cicatrização de feridas. Existem fatores locais e sistêmicos que podem influenciar prejudicialmente o processo cicatricial. Do ponto de vista nutricional, nos interessa destacar apenas fatores sistêmicos como, por exemplo, a desnutrição, deficiência de vitaminas A, C ou K, assim como a deficiência protéica e a do micronutriente zinco (UNICAMP 1999).
Existem três fases no processo de cicatrização que exigem nutrientes específicos e um bom estado nutricional geral do indivíduo. A fase inicial é chamada de inflamatória e caracteriza-se pela homeostase, coagulação, ativação da resposta imune local, fagocitose e a migração celular. A vitamina K, as proteínas e os aminoácidos são fundamentais neste momento. A fase de proliferação é marcada pelo intenso desenvolvimento de células epiteliais e fibroblastos, responsáveis pela produção do colágeno. Esta fase também requer proteínas e aminoácidos, além de vitamina C, ferro, zinco e oxigênio disponíveis. A terceira fase é a de remodelação, quando ocorre o processo de maturação e estabilização da síntese e degradação do colágeno, conferindo força tênsil à cicatrização (SOUZA 2003).
As proteínas além de desempenharem outras funções, contribuem para a síntese do colágeno, remodelagem da ferida e resposta imunológica; já os carboidratos fornecem energia para as atividades dos leucócitos e dos fibroblastos. Em relação às vitaminas, a C contribui para a síntese do colágeno, função dos neutrófilos, migração dos macrófagos, síntese de complementos e imunoglobulina, além de aumentar a cicatrização; e a vitamina A aumenta a velocidade de síntese do colágeno. Quanto aos minerais, o zinco aumenta a proliferação de células e a epitelização, além de permitir mais resistência do colágeno; e o cobre que também contribui para a síntese do colágeno.
A desnutrição tem sido associada ao surgimento de úlceras de decúbito. Pinchkofsky-Devin e Kaminski (citado por DEALEY 1996) ao avaliarem pacientes idosos quanto ao estado nutricional, observaram que todos os pacientes mal nutridos apresentavam úlceras de decúbito.
A nutrição adequada é um dos mais importantes aspectos para o sucesso do processo de cicatrização, pois a dinâmica da regeneração tecidual exige um bom estado nutricional do paciente e consome boa parte de suas reservas corporais. Sendo que, a recuperação nutricional pode trazer melhores resultados no tempo de cicatrização (SOUZA 2003).
Breslow e col. (citado por SOUZA 2003) constataram que dietas hiperprotéicas podem melhorar a cicatrização em pacientes desnutridos. Neste mesmo estudo foi observado que os indivíduos com úlceras de decúbito necessitavam de mais calorias que os pacientes apenas acamados, sendo que a oferta de uma dieta hiperprotéica e hipercalórica viabilizou a cicatrização, porém não contribuiu para o ganho de peso.
Segundo SOUZA (2003), estes estudos deixam evidente a necessidade de uma terapia nutricional específica, viabilizando o processo de cicatrização, recuperando ou mantendo o estado nutricional do paciente.
As fontes de nutrientes necessárias para a cicatrização de feridas são:
Proteínas
Alimentos de origem animal como carnes, aves, peixes, ovos, leite e derivados; e os de origem vegetal como feijão, lentilha, soja, ervilha e amendoim.
Carboidratos
Cereais como milho, trigo e aveia; farinhas de milho e trigo; pães de trigo, integral e de centeio; macarrão, arroz e batata.
Vitaminas
- A: fígado, gema de ovo, folhas verdes como brócolis e espinafre, cenoura.
- C: frutas cítricas, morango, abacaxi, goiaba, melão e kiwi.
- K: fígado, óleos vegetais, vegetais de folha verde escuro como couve e espinafre.
Minerais
- ferro: fígado, carne vermelha, aves, peixes, gema de ovos, ostras e marisco.
- zinco: carne vermelha, peixes, aves, fígado, leite e derivados, cereais integrais.
- cobre: aves, fígado, ostras, nozes, frutas secas (MAHAN & ARLIN 1994).
Referências
- Dealey C. - Cuidando de feridas: um guia para enfermeiras.
São Paulo:Atheneu, 1996.
- Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Hospital das Clínicas. Grupo de Estudos de Feridas. Manual de tratamento de feridas. Campinas:UNICAMP, 1999.
- Souza TT. Importância da terapia nutricional especializada na cicatrização de úlceras de decúbito. Nutrição em Pauta [revista on line]. Disponível htpp://www.nutricaoempauta.com.Br/novo/47/entparent.html[2003 Mar 24].
- Mahan LK, Arlin MT. Krause: Alimentos, nutrição e dietoterapia. 8º edição São Paulo: Roca; 1994.
* Silmara Salete de Barros Silva – Nutricionista - Mestre em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo

Silmara Salete de Barros Silva*
(1 de junho, 2005)


http://rrferidas.com


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos