- Saiba mais sobre a cesareana
Esta página já teve 132.453.803 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.707 acessos diários
home | entre em contato
 

Gravidez/Parto/Obstetrícia

Saiba mais sobre a cesareana

09/01/2006

 

 

Durante a gravidez, é praticamente impossível não surgir a dúvida entre o parto normal e a cesárea. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a quantidade de cesáreas - 40% - é um exagero no Brasil. O País só fica atrás do Chile, com 50%. A recomendação da própria OMS é que o índice não ultrapasse os 30%.

Para as mulheres que querem dar à luz de forma normal, existem as chamadas casas de parto. Nesses locais, elas são atendidas por enfermeiras obstetras, que evitam a "medicalização" do parto. Os médicos, no entanto, são contra. Argumentam que só eles estão capacitados para agir quando uma gravidez que se esperava normal inesperadamente tem complicações que podem pôr em risco a vida do bebê e da mãe. As enfermeiras, por sua vez, explicam que as complicações são raras e que as casas de parto têm ambulâncias de prontidão nas 24 horas do dia, preparadas para levar mãe e filho para um hospital.

Quais são, afinal, as vantagens de cada tipo de parto? A seguir, dúvidas comuns de mulheres respondidas por Soubhi Kahhale, coordenador do Serviço de Ginecologia e Obstetrícia do Hospital e Maternidade São Luiz, e Carlos Borsatto, diretor da Maternidade do Hospital Santa Catarina.

Quando a cesárea é indicada?
Quando há risco para a mãe ou para o bebê no parto normal. Exemplo para a mãe: descolamento de placenta (quando a placenta se separa da parede do útero, impedindo que o bebê continue a se alimentar e receber oxigênio). Para o bebê: quando ele está em "sofrimento", como dizem os médicos. A mãe com pressão alta, por exemplo, leva menos sangue ao feto. Outro sintoma de sofrimento é quando o mecônio (primeiras fezes) sai no líquido amniótico. Isso é sinal de que está chegando menos oxigênio aos órgãos do feto. Com menos oxigênio, o esfíncter anal (que mantém o anus fechado) relaxa, se abre e o feto libera as fezes. O normal é que isso só ocorra fora da barriga da mãe.

A cesárea é indicada quando a mulher não quer sentir dor no parto?
Não. A mulher pode tomar anestesia assim que sentir as primeiras dores. Hoje em dia, as anestesias permitem que a mulher ande durante as contrações (o que facilita a dilatação). Alguns médicos preferem esperar uma fase mais avançada das contrações, mas é uma questão de disponibilidade - a partir do momento em que a mulher toma anestesia, o médico tem de monitorá-la. A anestesia pode alterar os batimentos cardíacos do feto e da mãe.

A mulher toma anestesia no parto normal em hospitais públicos?
Na maioria deles, sim. Depende da disponibilidade do profissional.

Quantas cesáreas o organismo suporta?
Não existe um número rígido para ser obedecido. Mas, à medida que aumenta a quantidade de cesáreas, aumenta o risco. Em média, após três cesáreas (o que inclui a retirada de mioma), deve-se evitar uma nova gestação. O maior risco é o rompimento do útero. O mesmo raciocínio vale em casos de duas cesáreas no intervalo inferior a um ano.

Como é a recuperação do corpo nos dois tipos de parto?
A mulher consegue se levantar e andar no mesmo dia do parto, nos dois casos. Depois de uma semana, volta à maioria das atividades. Relação sexual, só um mês depois. Já o útero volta ao estado original mais rapidamente no parto normal - em cerca de três semanas. Na cesárea, um mês depois.

É possível ter parto normal depois da cesárea?
Depende da razão da cesárea. Se foi feita porque o feto sofreu, é possível que o próximo seja normal. Mas se foi por conta de algum problema na constituição do corpo da mulher, dificilmente o parto poderá ser normal. Mas, independentemente de qualquer motivo, não se faz um parto normal depois de três ou mais cesáreas.

Quantos cortes são feitos em uma cesárea?
Corte externo, apenas um, no sentido horizontal, na região dos pêlos. Mas, no total, o médico corta sete camadas do corpo: pele, subcutâneo (onde está a gordura), a camada que segura a musculatura, o próprio músculo, o primeiro peritônio (camada que protege as alças intestinais), o segundo peritônio (que protege o útero) e o próprio útero.

Quanto tempo dura a cesárea?
Em média, uma hora.

Quanto tempo dura um parto normal?
Depende. Quanto maior o número de partos normais anteriores, mais rápido o trabalho de parto. Mas, em média, dura de 8 a 20 horas.

Para que servem as contrações do parto?
Para dilatar o colo do útero, por onde o bebê vai passar. As primeiras servem para afinar o colo. Duram, em média, 12 horas. A freqüência é de uma contração a cada cinco minutos. Depois, vêm contrações mais intensas a cada três ou quatro minutos e com duração de 40 a 60 segundos. Depois de o colo do útero ter dilatado até 10 centímetros, começa a fase do nascimento do bebê. Ele nasce à medida que a mulher o empurra através do colo do útero dilatado para o canal vaginal. Essa fase pode durar de alguns minutos a uma hora, sendo caracterizada por contrações a cada dois ou cinco minutos e que duram de 60 a 90 segundos.

O canal vaginal volta ao normal depois do parto normal?
É difícil ficar igual.

É verdade que a bexiga pode cair no parto normal?
Sim. Durante a passagem do bebê pelo colo do útero, as estruturas em volta são esticadas além do devido, incluindo a bexiga.

O parto de cócoras é indicado?
A posição do parto de cócoras seria a mais indicada no parto normal. O problema é que a maioria das mulheres não agüenta a posição por muito tempo.

Quanto tempo uma mãe precisa esperar para ter o próximo bebê?
O corpo da mulher precisa de um ano para se recuperar do stress sofrido numa gravidez - para que os órgãos voltem ao lugar, para que se reabasteçam as reservas de ferro, para que ela perca o excesso de peso e ganhe força e tonalidade muscular vaginal e abdominal. Depois de uma cesariana, por causa da possibilidade de rompimento do útero, o ideal é esperar dois anos.

Por Adriana Dias Lopes

www.estadao.com.br


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos