-
Esta página já teve 133.045.244 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.670 acessos diários
home | entre em contato
 

Pediatria/Criança

Escolares submetidos a videonasofaringoscopia na escola: achados e aceitação

30/01/2006

 

 

 

J Pediatr (Rio J). 2005;81(6):443-6: Hipertrofia adenoideana, saúde escolar, escolar.

Objetivo: Verificar a aceitação da videonasofaringoscopia por crianças, no ambiente escolar, para avaliação de vegetações adenoideanas e determinar a sua prevalência nessa população.

Método: Estudo transversal realizado em amostra proporcional (n = 368) de escolares da primeira série do ensino fundamental de Aracaju (SE), com idades entre 6 e 13 anos, submetidos a videonasofaringoscopia flexível. Todas se submeteram à mesma rotina de exame, feito na própria escola, sem a necessidade de contenção ou qualquer tipo de sedação.

Resultados: As crianças que foram submetidas a avaliação nasofibroscópica aceitaram bem o procedimento, permitindo a adequada avaliação das cavidades do nariz e nasofaringe. A prevalência de hipertrofia adenoideana grau I foi de 50,6%, a de grau II foi de 35,1% e a de grau III foi de 14,3%. As hipertrofias adenoideanas graus II e III apresentam maior número de sintomas obstrutivos.

Conclusão: A videonasofaringoscopia flexível pode ser realizada, com excelente aceitação, fora do ambiente hospitalar ou consultório, como mostra este estudo realizado em ambiente escolar, indicando que sua utilização pode ser mais ampla, tornando-a mais acessível a um maior número de pessoas. A prevalência dos três graus de hipertrofia adenoideana encontrada em Aracaju difere de alguns estudos por ter sido realizada em crianças não triadas para sintomas respiratórios.

 

www.jped.com.br


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos