Ginecologia/Mulher -
Esta página já teve 132.442.575 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.709 acessos diários
home | entre em contato
 

Ginecologia/Mulher

Síndrome Pré-Menstrual e a influência de fatores orgânicos e sociais

12/02/2006

 

Pesquisa feira com 254 adolescentes e suas mães investiga como a família, os amigos e a mídia influenciam a manifestação da popular TPM. Sintomas de ordem psíquica foram relatados como os mais intensos

A forma de entender o próprio corpo e perceber a menstruação tem uma influência muito grande, entre as adolescentes, na presença ou não da Síndrome Pré-Menstrual (SPM), conhecida popularmente como Tensão Pré-Menstrual (TPM). Mas além dos aspectos orgânicos, há aspectos psicológicos e sócio-culturais que interferem na maneira como as garotas encaram a SPM e a própria menstruação, como mostra um estudo apresentado à Faculdade de Medicina (FM) da USP.

A psicóloga e professora universitária Maria Regina Domingues de Azevedo, autora do estudo, entrevistou 254 adolescentes (de 14 a 18 anos) e suas mães. Dessas, 177 (quase 70%) apresentavam indicadores de SPM. Esse grupo foi acompanhado pela psicóloga durante três meses. Durante esse tempo, as adolescentes anotaram diariamente a intensidade de 38 sintomas. Maria Regina explica que o critério utilizado para definir se uma pessoa tem a Síndrome é a presença de, pelo menos, cinco sintomas (de um total de 38), sendo um deles de ordem psíquica, durante três ciclos consecutivos.

Entre os sintomas de maior freqüência, conta a psicóloga, estavam fatores psíquicos (nervosismo, ansiedade, irritação, tristeza) e orgânicos (cólicas, dor nos seios, barriga inchada). Entre os sintomas de maior intensidade, contudo, predominavam os de ordem psíquica.

Influências
Maria Regina informa que, quando a mãe possui histórico de SPM, a probabilidade de a filha também apresentar a Síndrome é seis vezes maior. Outro fator importante, aponta a pesquisadora, é a conotação que a família atribui à SPM. "Quando os familiares atribuem uma conotação negativa, a probabilidade é quatro vezes maior", afirma. "Para avaliar esse aspecto, foi preciso entender como a família via a Síndrome. Em algumas, ela é vista como algo ruim: uma doença ou um momento de fúria." Além disso, existe a possibilidade de se confundir características comportamentais próprios da adolescência com os sintomas da SPM.

A pesquisadora também encontrou na mídia uma grande fonte de atribuições negativas à SPM e à menstruação. "A Síndrome é, quase sempre, mostrada de forma negativa, criticada pelo sexo oposto. As adolescentes acabam introjetando essa mensagem". E essa visão, ressalta a psicóloga, também dá o tom das conversas entre amigas, na escola.

Ainda um tabu
Apesar de muitas vezes ouvirmos o contrário, observa a pesquisadora, a questão da menstruação ainda é permeada por muitos tabus. Maria Regina cita um exemplo cotidiano: "O sangue que aparece nos comerciais de absorventes é sempre azul, como se a realidade devesse ser escondida."

Também não podemos desconsiderar o fato de que a visão masculina ainda é predominante em nossa sociedade. A psicóloga enxerga uma manifestação disso na defesa, feita por muitos ginecologistas, de que a melhor solução para a SPM é suspender a menstruação. "Essa é, essencialmente, a fala de uma corrente masculina. Entre as adolescentes, não encontrei a idéia de que deixar de menstruar fosse a solução para resolver os sintomas da SPM, ou simplesmente o desejo de se ver livre de um 'incômodo'".


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos