- Colesterol- 54% ignoram o problema
Esta página já teve 133.052.477 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.667 acessos diários
home | entre em contato
 

Clínica médica/Intensiva/Enfermagem

Colesterol- 54% ignoram o problema

03/03/2006

Pesquisa feita mostra que 54% das pessoas com colesterol acima dos níveis normais, e que precisavam tomar remédios, ignoram o problema (foto: NIH)
Notícias


03/03/2006

Mesmo entre os indivíduos assintomáticos, o colesterol alto serve como um indicador de que doenças cardíacas podem surgir em um intervalo curto de tempo, em menos de cinco anos, por exemplo. Essas taxas elevadas podem aumentar em até 30% o risco de problemas no coração.

Apesar disso, como mostra um recente estudo realizado por pesquisadores de diversas universidades norte-americanas, mais da metade dos pacientes ignoram o problema. A análise, feita em 6.814 pessoas de seis comunidades, revela que 54% dos que precisavam tomar remédios para baixar o colesterol não o fizeram.

“Os resultados mostram a importância de melhorar o tratamento e o controle do colesterol e também de eliminar as disparidades que existem no acesso aos serviços de saúde”, explica David Goff, o principal autor do estudo, em comunicado da Universidade Wake Forest, nos Estados Unidos.

O relatório com os resultados foi publicado na revista Circulation, da American Heart Association, em edição de 14 de fevereiro. Em termos de gênero, a pesquisa verificou que o controle sobre as taxas de colesterol entre aqueles que apresentavam problemas foi 20% maior em mulheres do que nos homens. Além disso, os negros cuidam menos desse aspecto de sua saúde (15%), assim como os hispânicos (20%), quando comparados com a parcela de cor branca da amostra.

Segundo os autores do estudo, a primeira discrepância existe porque a mulher costuma, geralmente, ir com mais freqüência aos serviços médicos relatar seus problemas e monitorar sua saúde. A explicação sobre o menor controle dos negros e dos hispânicos é de ordem social. Nos Estados Unidos, esses dois grupos, explica Goff, têm menos acesso ao sistema de saúde, de modo geral.

O relatório Heart disease and stroke statistics – 2006 update pode ser lido no site da Circulation, em http://circ.ahajournals.org.

Agência FAPESP


 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos