Ginecologia/Mulher -
Esta página já teve 132.445.052 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.705 acessos diários
home | entre em contato
 

Ginecologia/Mulher

Mulheres vão à luta para combater estresse e melhorar forma física

22/03/2006

Para combater o estresse, a flacidez muscular e a tensão pré-menstrual (TPM), sem perder o charme, um grupo de mulheres de Brasília decidiu ir à luta.

Roupas coloridas e colantes, tênis bem femininos, brincos, batons e piercing no umbigo compõem o "uniforme" das mulheres nas aulas de Tae Fight, que reúne técnicas do Tae Kwon Do com boxe.

A aula, que dispensa o quimono e têm muita música e coreografia, foi mostrada hoje em um shopping de Brasília, como parte das comemorações do Dia Internacional da Mulher, ocorrido ontem.

Adriana Cunha, dentista; Adrienne Rossi, servidora pública; Helena Mulim, economista, e Thais Eduão, estudante, se reúnem três vezes por semana nas aulas do professor César Minakawa, que garante ter inventado a modalidade de esporte em 1998, quando estudava no Japão. Maria Cleide da Silva, babá, assistiu ao show e disse lembrar com saudade do tempo em que praticava a luta. "Eu descarregava toda minha raiva e saía leve da aula. Agora, casei, estou sem tempo, mas precisando voltar urgente", disse.

Adriana Cunha pratica o Tae Fight há três anos, para aliviar o stress. Thaís Eduão está nas aulas por recomendação médica. "A ginecologista me aconselhou o Tae Fight para amenizar a TPM", explçica. Adrienne Rossi disse que aderiu à luta porque o Tae Fight lhe permite entrar e sair da academia bonita, com "brincos, pintada e vestindo roupas alegres". Segundo Helena Mulim, a vida de economista em Brasília é estressante e no Tae Fight consegue "lutar, dançar, relaxar, estravassar e ensaiar coreografia além de aumentar a minha agilidade".

César Minakawa explica que o Tae Fight, como toda luta, "não é suave" mas garante um "grande despreendimento de energia e às vezes machuca o corpo, apesar de as mulheres usarem luvas e sacos para darem pancadas em sacos e não diretamente nos corpos das companheiras".

 

Fonte: Agência Brasil

 

http://www.sgorj.org.br/layout.htm


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos