-
Esta página já teve 132.459.554 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.708 acessos diários
home | entre em contato
 

Endocrinologia/Glândulas

Esteróides-Esteróides Anabolizantes

31/03/2006

 

 

 

São divididos em três categorias: Estrógenos, Andrógenos e Cortisona. Os estrógenos são produzidos nos ovários e são responsáveis pelos caracteres sexuais femininos. Andrógenos, como veremos a baixo, são produzidos nos testículos. Ambos hormônios são produzidos nos dois sexos, havendo apenas predominância de um ou outro no homem ou mulher. A Cortisona também é comum aos dois sexos e tem efeito antiinflamatório e analgésico.

Estes compostos químicos funcionam de maneira muito semelhante a testosterona (hormônio masculino), que apresenta funções androgênicas e anabólicas, isto é, o desenvolvimento e a manutenção dos caracteres sexuais masculinos (barba, voz grave, libido, etc.) e o aumento da produção de proteínas pelos músculos do homem, aumentando sua força e massa muscular.

Em doses elevados, estimulam ainda mais a produção de proteínas, o número de células sangüíneas vermelhas (hemácias) e aumentam a capacidade respiratória.  Perante estes efeitos, os atletas passaram a empregar os esteróides como uma maneira de ultrapassar seus limites em termos de massa muscular, força e resistência física, assim melhorando seu "performance" esportivo. A despeito das advertências da comunidade científica sobre os efeitos maléficos dos esteróides, é grande o número de atletas que os utilizam, e ainda maior o número de adolescentes e jovens que, sem critério nenhum, obtém os esteróides em academias de musculação ou lutas marciais. Seu uso crônico causa graves e muitas vezes irreversíveis efeitos colaterais. O uso abusivo destas drogas pode causar:

  •  Esteatose hepática (fígado gorduroso);
  • Câncer de fígado (hepatocarcinoma);
  • Atrofia testicular com diminuição da produção de espermatozóides (infertilidade ou esterilidade); 
  • Impotência sexual pela inibição de produção da testosterona ("feedback" negativo);
  • Pressão alta (hipertensão arterial), Doença coronariana (infarto agudo do miocárdio);
  • Ruptura de tendões (pela maior explosão muscular);
  • Agressividade, euforia ou depressão;
  • Aumenta a incidência de Câncer de Próstata. 

A melhora do desempenho atlético ou aumento da massa muscular proporcionada pelo uso destas drogas, ante tantos e tão maléficos efeitos colaterais, como dito antes, por vezes irreversíveis, não se justifica. Seus efeitos são transitórios e com a suspensão da droga, desaparecem, isto é, o físico volta a ser normal, mas os efeitos colaterais podem persistir. Tais drogas, existem na forma de comprimidos e injetável e geralmente para efeitos anabolizantes, o indivíduo, homem ou mulher, utiliza doses centenas de vezes maior que a dose terapêutica (raquitismo, hipogonadismo, infertilidade). Os usuários em geral não são atletas e sim jovens entre 18 e 34 anos que tem uma percepção distorcida de sua própria imagem e querem ter um corpo musculoso. Às vezes chegam ao cúmulo de utilizar anabolizantes veterinários usados na engorda dos animais de abate. Hoje em dia, inclusive no Brasil, o uso de anabolizantes é considerado uma drogadição (vício) e seu uso é ilícito sem orientação médica, que só se fará em absoluta necessidade.

 

http://www.uro.com.br/doencas.htm

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos