-
Esta página já teve 135.332.836 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.660 acessos diários
home | entre em contato
 

Pediatria/Criança

Infância e políticas públicas: um olhar sobre as práticas psi

03/05/2006

Psicologia & Sociedade
ISSN 0102-7182 versão impressa

   
 

Resumo

CRUZ, Lílian, HILLESHEIM, Betina e GUARESCHI, Neuza Maria de Fátima. Infância e políticas públicas: um olhar sobre as práticas psi. Psicol. Soc., set./dez. 2005, vol.17, no.3, p.42-49. ISSN 0102-7182.

Este artigo objetiva discutir, a partir das formas pelas quais se constituiu a categoria infância no Brasil, a atual configuração das políticas públicas voltadas para essa área, especialmente no que se refere às práticas da Psicologia. Entendemos a infância como uma construção social, isto é, como uma noção datada geográfica e historicamente. Apontamos como a Psicologia se faz presente em temáticas, tais como o estabelecimento de padrões de normalidade e anormalidade, circunscrevendo etapas evolutivas em relação à infância. Como exemplo, citamos o Juizado de Menores, o Serviço de Assistência do Menor (SAM) e as Fundações Estaduais do Bem-Estar do Menor (FEBEMs), bem como as atuais entidades de abrigos, já reordenadas a partir do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Para finalizar, problematizamos a inserção da Psicologia no debate sobre as políticas públicas, especificamente na área da infância denominada vulnerável.

Palavras-chave: infância; políticas públicas; práticas psicológicas.

        · resumo em inglês     · texto em português     · pdf em português


 

 Associação Brasileira de Psicologia Social

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0102-71822005000300006&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos