Ginecologia/Mulher -
Esta página já teve 132.442.673 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.709 acessos diários
home | entre em contato
 

Ginecologia/Mulher

Leia sobre os cistos de ovário

19/07/2006
 Severino Rodrigues de Figueiredo

Comumente as mulheres quando se submetem a exame ultrasongrafico, o laudo aparece cisto folicular, a maioria das pacientes procuram o serviço pensando que estão com um cisto no ovário e depois em outra ultranografia o cisto desapareceu.
Como isto acontece?
Os ovários órgão que estão localizados na pelve feminina tem como função produzir óvulos e hormônios.

Medem em média 4x2x2 cm. Estão divididos em 2 porções: cortical e medular.
Na região cortical estão localizados os folículos de Graaf em media 300.000 que diminuem a medida que a mulher vai entrando na fase de menacme.
No período menstrual há o amadurecimento do folículo e liberação do óvulo, em torno do 14 dia= ovulação
No período ovulatório, ocorre os chamados cistos funcionais muitas vezes causando desconforto pélvico as pacientes.
Os cistos funcionais, não são detectados na mulher no período de menopausa, nem na infância- os 2 parâmetros básicos.
Daí os cuidados de pesquiza nestes dois extremos da vida,
Os tipos mais encontrados de cistos de ovários são:

  • Cistos foliculares comumente encontrados num exame ultrasongrafico, correpondente a rotura do folículo.
  • Cisto de corpo lúteo
  • Cisto dermoides em cujo interior encontramos, fios de cabelos, ossos etc
  • Endometriomas
  • Cistoadenomas. serosos

    Os cistos funcionais não necessitam tratamento, as vezes faz-se medicação anticoncepcional.
    Os cistos serosos não regridem tendem a aumentar. representa 30% dos cistos ovarianos atingem grandes volumes.

    Quadro clinico:

    Dor pélvica Irregularidade menstrual Dismenorréia. Sangramentos

    Diagnostico Diferencial.

    Apendicite Piosanpinge Aderências pélvicas cistos inflamatórios

    Avaliação: atraves de ultrasonografia, verificar consistencia sólida ou liquida, levar em consideração a idade da paciente. estado nutricional, descartar ascite, solicitar rx de tórax.
    Sabendo-se que a ultrasonografia não distingue o aspecto maligno ou benigno somente o exame histopatologico é que dá o diagnostico.

    Bibliografia:

  • Ginecologia da infância e adolescência-Tourinho, Bastos Moreira
  • Segredos em GO- Helen M. Fredrickson.
  • http://www.portaldeginecologia.com.br/modules.php?name=News&file=article&sid=64


    IMPORTANTE

    •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
    • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
    Publicado por: Dra. Shirley de Campos
    versão para impressão

    Desenvolvido por: Idelco Ltda.
    © Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos