-
Esta página já teve 132.481.970 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.703 acessos diários
home | entre em contato
 

Gastroenterologia/Proctologia/Fígado

Conheça mais sobre as Hemorróidas

20/07/2006

 

 Definição:

São dilatações de vasos sanguíneos que se situam na porção mais inferior do reto e no canal anal, chamado de mamilos hemorroidários. Esses mamilos podem prolapsar com a evolução da doença.

 Principais Sintomas:

  • Desconforto anal;
  • Dor intensa nos casos de trombose hemorroidária;
  • Sangramento (sangue vivo);
  • Coceira e/ou presença de secreção nas roupas íntimas;
  • Nodulações na margem anal.

 Causas:

  • Dieta pobre em fibras;
  • Beber pouco líquido;
  • Constipação (prisão de ventre);
  • Gravidez e obesidade podem não ser exatamente causas, mas contribui para a piora dos sintomas;
  • Diarréia freqüente;
  • Uso do papel higiênico;
  • Esforço evacuatório e permanecer muito tempo no vaso sanitário.

Diagnóstico:

O diagnóstico é simples de ser feito, um exame adequado da região anal com anuscopia (exame do interior do canal anal) pode diagnosticar e classificar o grau da hemorroida.

A classificação em graus valoriza o tamanho da hemorróida  e orienta o tratamento, mas nem sempre esta correlacionada com os sintomas.

Classificação:

·         Grau I: não há exteriorização da hemorróida;

·         Grau II: a hemorróida exterioriza-se no momento da evacuação, mas retorna para dentro do reto espontaneamente;

·         Grau III: há exteriorização da hemorróida e há necessidade de empurrar com a mão para dentro do reto;

·         Grau IV: permanece constantemente exteriorizada.

 Tratamento:

O tratamento pode ser clínico, também chamado de conservador, que se baseia nos seguintes pontos:

  • Correção do hábito intestinal;
  • Melhorar a alimentação (mais fibras) e líquidos;
  • Cuidados de higiene, evitando o papel higiênico e utilizando água e sabão neutro;
  • Em alguns casos medicações tópicas e/ou sintomáticas (analgésico, antiinflamatório).

O tratamento com Ligadura Elástica é feito no ambulatório, não necessita de anestesia e o paciente é liberado logo após o procedimento. Esse tratamento se aplica para hemorróidas de I e II graus, onde é feita a ligadura da base da hemorróida com ligas de borracha. O incomodo é bastante discreto na grande maioria dos casos, mas o paciente deve seguir as orientações do seu médico.

A cirurgia propriamente dita (Hemorroidectomia), conciste em ressecar os mamilos hemorroidários, está é feita sob anestesia e requer mais cuidados principalmente no pós-operatório. Por conta do corte, a dor é maior, mas tende a regredir bastante após 48h. A cicatrização final se dá após quatro semanas em média, mas após quinze dias o paciente já consegue voltar as suas atividades habituais.

Outra técnica cirúrgica é o grampeamento, utilizando um aparelho que promove a ressecção dos mamilos hemorroidários (PPH®). Essa técnica se aplica a hemorróidas que tem um componente de prolapso importante. A vantagem deste procedimento é provocar menos dor e a recuperação é mais rápida, pois o corte é interno e não há feridas.

Outras técnicas também são descritas para tratamento de hemorróidas são elas: uso de infravermelho e raio laser, a esclerose e a congelação. Mas por serem muito caras e não acrescentarem tantos benefícios em relação às demais, não foram incorporadas à maioria dos serviços.

http://www.ccddf.com.br/hemorroidas.html


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos