Antienvelhecimento/Longevidade - Manifestações iniciais da velhice
Esta página já teve 113.916.555 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.866 acessos diários
home | entre em contato
 

Antienvelhecimento/Longevidade

Manifestações iniciais da velhice

14/04/2007

Menopausa versus andropausa

Manifestações iniciais da velhice



Ambas originadas pelo défice hormonal, a menopausa e a andropausa são manifestações no feminino e no masculino de um período específico da vida pertencente ao processo de envelhecimento. Marcadas por mudanças fisiológicas, variam de indivíduo para indivíduo e, sobretudo, consoante o sexo.


Salvo raras excepções, a expressão «as senhoras primeiro» ganha evidência quando se compara a menopausa com a andropausa. De facto, é nas mulheres que se manifestam os primeiros sintomas do envelhecimento, geralmente aos 50 anos, mas pode ser precoce (40 anos) ou tardia (55 anos). No que diz respeito aos homens, tal sintomatologia pode surgir antes dos 40 anos, mas é mais frequente a partir dos 60.

Contudo, quer nos homens quer nas mulheres, ocorrem inúmeras alterações físicas, sexuais, afectivas e cognitivas. As manifestações são, porém, mais evidentes nas mulheres.

«A menopausa é uma etapa bem-definida da vida, nomeadamente, com a cessação da menstruação, que está associada à infertilidade. É também caracterizada por várias alterações, condicionadas pela diminuição de estrogénios», avança o Dr. Carlos Santos, urologista, continuando:

«O défice destas hormonas sexuais femininas interfere com muitos aspectos fisiológicos. A nível urológico, por exemplo, dá-se uma diminuição da lubrificação das paredes vaginais, podendo causar o vaginismo, outras alterações a nível de disfunção sexual feminina ou a incontinência urinária.»

Ao contrário, a andropausa, que é também designada como menopausa masculina, é menos evidente, ou seja, não há uma etapa bem definida em termos de cessação de funções. Por exemplo, a fertilidade mantém-se nos homens. Além disso, sintomas como os afrontamentos ou a sudação nocturna não importunam tanto o sexo masculino, nem são tão evidentes como no sexo feminino.

«O homem sofre uma série de alterações proporcionadas pela diminuição dos androgénios, em particular a testosterona que, por sua vez, pode originar disfunção eréctil, diminuição do volume testi­cular, alterações do orgasmo ou ejaculação fraca. Esta fase pode ser definida como a síndrome produzida pela diminuição progressiva dos androgénios», diz o urologista, comentando que andropausa não é o termo cientificamente correcto.

E explica a razão: «Andropausa é, para muitos autores, uma terminologia controversa, sendo utilizada a expressão inglesa “PADAM”, que significa “deficiência parcial androgénica do homem idoso”. Para mim não faz muito sentido chamar de andropausa a uma fase do homem que é diferente da que ocorre na mulher. Além disso, em termos científicos, PADAM traduz, de forma mais precisa, a etapa masculina da segunda metade da vida, pois define uma diminuição dos androgénios. Usa-se andropausa porque é simples e associa-se à menopausa masculina.»



Desejo sexual diminuído

A cessação da menstruação provocada pela falência da função dos ovários é um aspecto com consequências objectivas. O mesmo não se poderá dizer do défice de testosterona. Contudo, a diminuição do desejo sexual, além de ser objectiva, é comum em ambos os sexos.

A menopausa e a andropausa não devem ser encaradas como doenças, mas sim como fases em que ocorrem sintomas específicos. Daí a existência de terapêuticas que ajudam os indivíduos a ultrapassar esse período com uma melhor qualidade de vida. A sexualidade é uma das áreas em que actuam.

«A terapêutica para a diminuição do desejo sexual passa pela reposição do défice hormonal. Assim como para a mulher existem as terapêuticas hormonais de substituição, que repõem os níveis hormonais de estrogénios, para o homem o tratamento mais actual que repõe os níveis de androgénios é feito com testosterona em gel», indica Carlos Santos.

Tal como acontece com a THS, para as mulheres, o gel responsável pelo aumento da libido masculina também contribui para a diminuição dos afrontamentos, dos suores e da ansiedade. A aplicação é feita, uma vez por dia, em zonas corporais de fácil acesso, normalmente no ombro ou na barriga.

«O uso da testosterona em gel obriga a uma vigilância médica, porque é apenas indicado para os homens que têm uma deficiência de testosterona. Outras alterações que possam ocorrer, como a disfunção eréctil, são tratadas com fármacos diferentes», menciona o urologista, advertindo que «algumas patologias podem ser agravadas pelo uso da testosterona em gel, nomeadamente o carcinoma da próstata».

E conclui: «É preciso ter noção de que, quer na menopausa, quer na andropausa, não há apenas uma diminuição de estrogénios e de androgénios. Trata--se de um processo de envelhecimento normal, fisiológico, que está associado a alterações multiormonais e a deficiências hormonais, como a hormona do crescimento.»



Geriatria em discussão

«Doença de Alzheimer: o tratamento farmacológico», «Gerontopsiquiatria: a depressão no idoso» e «Alterações da Memória com o Envelhecimento». Estas e muitas outras temáticas estiveram em discussão no XXV Congresso Português de Geriatria, que teve lugar na cidade de Lisboa, entre os dias 6 e 8 de Outubro. Durante o evento decorreu, ainda, a II Jornada Luso-Brasileira de Geriatria e a Jornada de Gerontologia Social.


Fonte: Medicina & Saúde®

http://www.medicosdeportugal.iol.pt/action/2/cnt_id/107/


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos