-
Esta página já teve 132.446.838 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.706 acessos diários
home | entre em contato
 

diagnóstico e laboratório

Detecção rápida do vírus da hepatite A pela saliva

30/05/2007

Estudo valida análise de saliva como método
para detecção rápida do vírus da hepatite A em surtos

Uma nova metodologia para detecção do vírus da hepatite A com base em amostras de saliva, desenvolvida pelo Instituto Oswaldo Cruz (IOC), pode contribuir para o controle epidemiológico da doença durante surtos. Ao contrário do diagnóstico com base em amostras de sangue, utilizado atualmente, o método inédito validado pelo Laboratório de Desenvolvimento Tecnológico em Virologia do IOC permite identificar os casos da doença mesmo em pessoas infectadas que estão no chamado período de janela imunológica (antes de produzirem anticorpos para combater o vírus). Apenas em 2005, a hepatite A atingiu mais de 18 mil brasileiros segundo dados do Ministério da Saúde.  

Gutemberg Brito
foto1
A detecção de anticorpos contra o vírus da hepatite A em amostras de saliva coloca a análise do fluido oral como uma alternativa não invasiva para o diagnóstico da doença

A pesquisa analisou 127 pessoas envolvidas em um surto da doença ocorrido em outubro de 2005 em uma creche municipal localizada na comunidade do Jacarezinho, no Rio de Janeiro. O trabalho, desenvolvido durante o mestrado da biomédica Luciane Amado, teve início ainda na graduação da pesquisadora, que verificou a possibilidade de utilizar amostras de saliva para a detecção de anticorpos das hepatites A, B e C – processo habitualmente realizado a partir da coleta de sangue. Os resultados positivos estimularam a pesquisadora a dar continuidade à pesquisa. “O diagnóstico laboratorial e a investigação de surtos de hepatite A geralmente dependem de estudos sorológicos e epidemiológicos, mas alguns fatores, como a dificuldade de coleta de sangue em crianças, têm acelerado a procura de fluidos alternativos para o diagnóstico da doença”, Luciane avalia.

Na primeira etapa do estudo, foram coletadas amostras de sangue e saliva da população envolvida no surto ocorrido na creche de Jacarezinho e de pessoas que tiveram contato com elas e que, apesar de não terem apresentado sintomas, poderiam estar infectadas. As análises constataram que 83% dos indivíduos estavam infectados e que a maioria, 64%, era assintomática. “Através da técnica de PCR em tempo real foi possível detectar a presença do vírus em amostras de saliva em pacientes que estavam na fase aguda da doença e em pessoas em período de pré-soroconversão, quando o anticorpo contra o vírus da hepatite A ainda não está presente no sangue”, Luciane descreve.  A evolução assintomática da hepatite A contribui para a disseminação da doença e por isso detectar o vírus rapidamente é fundamental para o controle de surtos – daí a importância de um teste que permita a detecção do vírus mesmo no chamado período de janela imunológica.

Gutemberg Brito
foto2
A análise por PCR em tempo real de amostras de soro e saliva para detecção
e quantificação do vírus da hepatite A indicou a presença de
 maior carga viral no fluido oral

A eficiência do novo método diagnóstico para a detecção molecular do vírus foi comprovada na segunda etapa da pesquisa que, através da quantificação da carga viral das amostras de saliva, demonstrou que o fluido oral apresenta maior virulência que amostras de sangue. “Um fato que surpreendeu a equipe foi a maior freqüência de vírus nas amostras de saliva: 37%, enquanto a análise de soro indicou uma taxa de 32%. A grande freqüência de vírus permite o diagnóstico precoce da doença, que pode assim ser detectada antes do aparecimento de sintomas”, a pesquisadora compara.

Depois dos resultados satisfatórios obtidos no mestrado de Luciane, o Laboratório de Desenvolvimento Tecnológico em Virologia do IOC pretende realizar pesquisas semelhantes e aplicar o método a outros surtos, que permitam estudos epidemiológicos mais amplos. “A coleta de saliva para detecção do vírus mostrou-se bastante eficiente tanto para o diagnóstico molecular do vírus quanto para o estudo epidemiológico de surtos e pode ser uma importante ferramenta para o controle da hepatite A, sobretudo entre crianças. Além de permitir o diagnóstico precoce da doença, ao contrário da coleta de sangue, o método é realizado de maneira não invasiva, o que facilita todo o processo”, Luciane conclui.

Bel Levy

 

http://www.ioc.fiocruz.br/pages/informerede/corpo/noticia/2007/maio/18_05_07_01.html

 

 

 

IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos