Ginecologia/Mulher -
Esta página já teve 132.512.016 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.699 acessos diários
home | entre em contato
 

Ginecologia/Mulher

Candidíase vulvovaginal: sintomatologia, fatores de risco e colonização anal concomitante

04/06/2007

Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia

 

Rev. Bras. Ginecol. Obstet. v.29 n.1  Rio de Janeiro jan. 2007

ARTIGOS ORIGINAIS

 

 

 

Vulvovaginal candidiasis: symptomatology, risk factors and concomitant anal colonization

 

 

Antônio Arildo Reginaldo de HolandaI; Ana Cristina Santos FernandesII; Christiane Medeiros BezerraIII; Maria Ângela Fernandes FerreiraIV; Manoel Reginaldo Rocha de HolandaV; Julita de Campos Pipolo HolandaVI; Eveline Pipolo MilanVII

IPós-graduando do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN - Natal (RN), Brasil; Médico Toco-ginecologista da Maternidade Escola Januário Cicco da Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN - Natal (RN), Brasil
IIPós-graduando do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN - Natal (RN), Brasil
IIIBolsista de Iniciação Científica do Departamento de Infectologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN - Natal (RN), Brasil
IVProfessor Adjunto do Departamento de Odontologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN - Natal (RN), Brasil
VPós-graduando do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN - Natal (RN), Brasil; Médico do Ministério da Saúde (MS), Rio Grande do Norte
VIProfessor Assistente do Departamento de Odontologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN - Natal (RN), Brasil
VIIProfessor Adjunto do Departamento de Infectologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN - Natal (RN), Brasil

Correspondência

 

 


RESUMO

OBJETIVO: analisar pacientes com candidíase vulvovaginal quanto a sintomatologia, fatores de risco e resultados da cultura anal, identificar a freqüência de Candida albicans e não C. albicans e correlacionar as colonizações anal e vaginal.
MÉTODOS: foram incluídas 99 pacientes com suspeita clínica de candidiase vulvovaginal, procedentes de Natal, RN, atendidas entre maio de 2003 e maio de 2005, perfazendo-se o total de 294 coletas. O material clínico, colhido por zaragatoas, foi semeado em CHROMagar Candida®. As leveduras foram identificadas pelo método clássico, além da prova de crescimento a 42 e 45ºC e da prova do caldo Sabouraud hipertônico. A sintomatologia, fatores de risco e colonização anal foram analisados de acordo com a positividade ou negatividade para Candida spp. As culturas positivas para C. albicans nos dois sítios foram comparadas com outros resultados encontrados. Para análise estatística utilizou-se o teste do c2, com correção de Yates e o teste exato de Fisher.
RESULTADOS: a espécie mais frequente foi C. albicans em 69% dos casos. Uso de roupas íntimas justas e/ou sintéticas, presença de doenças alérgicas, ocorrência de prurido, leucorréia e hiperemia apresentaram associação com a positividade vaginal para Candida spp. A chance de uma paciente com colonização anal positiva de apresentar positividade vaginal concomitante foi 2,8 e 4,9 vezes maior, respectivamente, para Candida spp e C. albicans. A chance de uma paciente com cultura anal positiva para C. albicans de apresentar resultado vaginal positivo foi 3,7 vezes maior quando comparada a espécies não C. albicans.
CONCLUSÕES: C. albicans foi a espécie mais comum, tendo sido observada associação da positividade vaginal para Candida spp com uso de roupas justas e/ou sintéticas, doenças alérgicas, prurido, leucorréia e eritema (p<0,05). A positividade anal concomitante com a vaginal foi significativa, sugerindo uma possível contaminação vaginal a partir do ânus.

Palavras-chaves: Candidíase vulvovaginal/diagnóstico; Vulvovaginite/epidemiologia; Fatores de risco; Vagina/microbiologia; Canal anal/microbiologia


ABSTRACT

PURPOSE: to analyze patients with vulvovaginal candidiasis with respect to risk factors, symptomatology and results of anal culture, to identify the frequency of species of Candida albicans and non-C. albicans, and to correlate anal and vaginal colonization.
METHODS: a total of 99 patients were included with suspected vulvovaginal candidiasis, from Natal, Brazil, between May 2003 and May 2005, totalling 294 collections. The clinical material, obtained by vaginal and anal swabs, was seeded on CHROMagar Candida®. The yeasts were identified using the classic method, in addition to the growth test at 42º and 45ºC and the Hypertonic Saboraud broth test. Symptomatology, risk factors and anal colonization were assessed according to positive or negative culture for Candida spp. The cultures positive for C. albicans at the two sites were compared with other results encountered. Yates c2 test and Fishers exact test were used for statistical analysis.
RESULTS: the most frequent was C. albicans in 69% of the cases. Wearing tight and/or synthetic underclothing, the presence of allergic diseases, the occurrence of itching, leukorrhea and hyperemia showed a significant association with positive culture for Candida spp in the vagina. The chance of a patient with positive anal colonization to present with concomitant positive vaginal colonization was 2.8 and 4.9 times greater for Candida spp and C. albicans, respectively. The risk of a patient with anal culture positive for C. albicans to present with positive vaginal colonization was 3.7 times greater when compared to non-C. albicans species.
CONCLUSIONS: the most common species was C. albicans, and a relevant association between vaginal cultures positive for Candida spp and the use of tight and/or synthetic underclothing, allergic diseases, the occurrence of pruritus, leukorrhea and erythema was observed (p<0.05). Positive anal colonization concomitant with vaginal colonization was significant, suggesting possible vaginal contamination from the anus.

Keywords: Candidiasis vulvovaginal/diagnosis; Vulvovaginitis/epidemiology; Risk factors; Vagina/microbiology; Anal canal/microbiology

 

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-72032007000100002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

 

 

 

 

IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos