-
Esta página já teve 132.474.749 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.706 acessos diários
home | entre em contato
 

Gravidez/Parto/Obstetrícia

Fatores de prognóstico gestacional em mulheres com aborto espontâneo recorrente.

13/11/2007

Sao Paulo Medical Journal

Resumo

CAETANO, Marcos Roberto, COUTO, Egle, PASSINI JUNIOR, Renato et al Sao Paulo Med. J., 2006, vol.124, no.4, p.181-185. ISSN 1516-3180.

CONTEXTO E OBJETIVO: A perda espontânea de três ou mais gestações subseqüentes é chamada de aborto espontâneo recorrente (AER). É relacionado com alterações genéticas, anatômicas, hormonais, infecciosas, imunológicas e outras. Muitos casos de AER continuam como de causa desconhecida. Novos fatores ou associações podem influenciar o resultado gestacional. O objetivo do estudo foi identificar as possíveis causas do AER, isoladas ou associadas, que poderiam predizer o prognóstico gestacional em mulheres submetidas a um protocolo de investigação e tratamento. TIPO DE ESTUDO E LOCAL: Estudo de caso-controle, no ambulatório de Perdas Gestacionais do Centro de Atenção Integral a Saúde da Mulher da Universidade Estadual de Campinas. MÉTODOS: Foram revisados 246 prontuários médicos de mulheres com três ou mais perdas espontâneas sucessivas atendidas no Ambulatório de Perdas Gestacionais do CAISM/Unicamp entre 1994 e 2003. Foram avaliados dados relativos à idade, antecedentes obstétricos, possíveis etiologias para a recorrência do aborto, tratamentos realizados e resultados gestacionais. A análise estatística envolveu razão de chances (RC), análise por regressão logística e arvores de decisão. RESULTADOS: 229 mulheres foram incluídas no estudo. O fator imunológico, principalmente o aloimune, foi o mais encontrado (93,9%). Mulheres com fator aloimune isolado obtiveram melhores resultados gestacionais (77.7% de partos) do que aquelas com a associação de outros fatores. A presença do fator autoimune aumentou a chance de aborto (RC 4.30 95% intervalo de confiança, IC 1.36 - 13.63). Não foi encontrada associação entre o número de abortos prévios ao tratamento e o resultado gestacional. Mulheres com 40 anos ou mais apresentaram a mais alta taxa de aborto espontâneo (OR 5.83 95% CI 1.12-30.40). CONCLUSÃO: Idade acima de 40 anos, a presença de fatores imunológicos e a associação de dois ou mais fatores conferiram o pior prognóstico gestacional às mulheres avaliadas.

Palavras-chave : Aborto habitual; Alergia e imunologia; Auto-imunidade; Gravidez de alto risco; Imunoterapia.

        · resumo em inglês     · texto em inglês     · pdf em inglês

 

Associação Paulista de Medicina

 

 

 

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1516-31802006000400002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

 

 

 

 

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos