-
Esta página já teve 132.549.499 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.702 acessos diários
home | entre em contato
 

Gravidez/Parto/Obstetrícia

Identificação imuno-histoquímica de Listeria monocytogenes em placentas fixadas em formol e embebidas em parafina.

03/12/2007

Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia

 

Resumo

SCHWAB, Jussara Pires e EDELWEISS, Maria Isabel Albano.  Rev. Bras. Ginecol. Obstet., ago. 2003, vol.25, no.7, p.501-505. ISSN 0100-7203.

OBJETIVOS: identificar Listeria monocytogenes (Lm) em placentas humanas pela técnica de imuno-histoquímica (IHQ) e relacionar sua presença com as alterações histológicas encontradas com as alterações histológicas encontradas no exame convencional, com o trimestre gestacional, a idade das gestantes, casos de aborto e parto prematuro e a ocorrência de aborto habitual. MÉTODOS: um estudo retrospectivo foi realizado no setor de patologia de um hospital-escola de Porto Alegre no ano 2000. O material dos blocos de parafina de 254 placentas (exames anatomopatológicos), provenientes de aborto, de parto prematuro e de nascimento a termo, foi analisado pela técnica histológica convencional com a coloração de hematoxilina e eosina (HE). A técnica de IHQ foi realizada no material de 148 exames anatomopatológicos, que apresentaram alterações inflamatórias, hemorragia, necrose e trombose, utilizando anticorpo policlonal Rabbit A "Listeria monocytogenes" B65420R (Biodesign®) na diluição 1:1000 e complexo avidina-biotina-estreptavidina. O teste c2 foi aplicado para a análise estatística. RESULTADOS: a presença de Lm foi identificada em 33,7% das placentas analisadas pela técnica IHQ. Corioamnionite e vilite foram as alterações inflamatórias que estiverem associadas a diferença significativa nas placentas positivas. Lm esteve presente nas placentas de 1º, 2º e 3º trimestre gestacional. Não houve associação entre idade das gestantes, casos de aborto e/ou parto prematuro e a presença ou ausência de Lm nas placentas. Abortos habituais ocorreram em pacientes com ou sem Lm no tecido placentário. CONCLUSÃO: a técnica de IHQ pode ser utilizada para confirmar o diagnóstico histopatológico de listeriose em todos os trimestres gestacionais.

Palavras-chave : Placenta; Listeria monocytogenes; Aborto habitual; Corioamnionite.

        · resumo em inglês     · texto em português     · pdf em português

Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia

 

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0100-72032003000700006&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

 

 



IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos