-
Esta página já teve 134.651.534 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.670 acessos diários
home | entre em contato
 

Gastroenterologia/Proctologia/Fígado

Doença de Crohn e cálculo renal: muito mais que coincidência?.

21/12/2007

Arquivos de Gastroenterologia

 

Resumo

VIANA, Maria Lenise Lopes, PONTES, Rose Meire Albuquerque, GARCIA, Waldir Eduardo et al Arq. Gastroenterol., jul./set. 2007, vol.44, no.3, p.210-214. ISSN 0004-2803.

RACIONAL: A doença de Crohn é uma doença inflamatória intestinal que pode estar associada a várias complicações e manifestações que são secundárias ao processo inflamatório de base. Em aproximadamente 30% dos pacientes têm sido encontradas manifestações extra-intestinais. A nefrolitíase é uma delas e a formação de cálculos é mais comum nestes pacientes do que na população em geral, principalmente cálculos de oxalato de cálcio. OBJETIVOS: Avaliar os fatores metabólicos urinários potencialmente envolvidos na formação de cálculos renais em pacientes com doença de Crohn. MÉTODOS: Foram avaliados 29 pacientes com doença de Crohn atendidos no Ambulatório de Doenças Inflamatórias do Hospital de Clínicas da Universidade Estadual de Londrina, PR, no período de janeiro a dezembro de 2004. A avaliação metabólica incluiu medidas séricas e urinárias de substâncias relacionadas à litíase renal, ultra-sonografia de rins e vias urinárias e cálculo da supersaturação urinária para o oxalato de cálcio, ácido úrico e fosfato de cálcio. RESULTADOS: Dos 29 pacientes avaliados, 65,5% eram do sexo feminino e 34,5% do masculino. As principais alterações metabólicas urinárias encontradas foram 72,41% de hipocitratúria, 41,4% de hipomagnesiúria, 13,6% de hiperoxalúria e 17,24% de baixo volume urinário. Foram encontrados cálculos renais em 13 pacientes (44,8%). Os pacientes submetidos a cirurgia intestinal, com ressecção ileal, apresentaram alterações na saturação urinária de oxalato e fosfato. Para a comparação das médias, utilizou-se o teste de Mann-Whitney e para determinar a associação entre as variáveis foi utilizado o teste do Qui-quadrado ou o teste exato de Fisher com um nível de significância de 5%. CONCLUSÃO: A freqüência de pacientes com cálculos renais foi maior que a encontrada na população geral e acima do descrito em trabalhos similares. As alterações encontradas como hipocitratúria e a hipomagnesiúria, que representam fatores de risco reconhecido para a formação de cálculos, devem ter participação ativa nestes resultados. O impacto dessas alterações, medido pela saturação urinária elevada de oxalato e fosfato de cálcio, representa uma das maneiras de se demonstrar como estes fatores predispõem à nucleação de cristais e, conseqüentemente, à formação de cálculos nas vias urinárias.

Palavras-chave : Doença de Crohn; Cálculos renais; Oxalato de cálcio.

        · resumo em inglês     · texto em português     · pdf em português

 

 

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0004-28032007000300006&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

 

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos