- Escorpionismo
Esta página já teve 133.047.141 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.670 acessos diários
home | entre em contato
 

Primeiros socorros/Emergência

Escorpionismo

02/03/2008

 

1. Aspectos Epidemiológicos
São acidentes menos notificados que os ofídicos. Sua gravidade está relacionada à proporção entre quantidade de veneno injetado e massa corporal do indivíduo picado.

Agentes Causais: as principais espécies do gênero Tityus responsáveis por acidentes estão relacionadas na tabela abaixo:

NOME CIENTÍFICO

NOMES POPULARES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA

T. bahiensis

escorpião marrom

MG, SP, PR, SC, RS, GO, MS

T. cambridgei

escorpião preto

AP, PA

T. costatus

escorpião

MG, ES, RJ, SP, PR, SC, RS

T. fasciolatus

escorpião

GO, DF

T. metuendus

escorpião

AC, AM, PA, RO

T. serrulatus (1)

escorpião amarelo

BA, MG, ES, RJ, SP, DF, GO, PR

T. silvestris

escorpião

AC, AM, AP, PA

T. stigmurus

escorpião

BA, SE, AL, PE, PB, RN, CE, PI


1) Espécie partenogenética, em expansão nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul. Responsável pelos acidentes de maior gravidade registrados no país, incluindo óbitos.

Distribuição, Morbidade, Mortalidade e Letalidade: são notificados anualmente, cerca de 8.000 acidentes, com uma letalidade variando em torno de 0,51%. Os acidentes por escorpiões são mais freqüentes no período de setembro a dezembro. Ocorre uma discreta predominância no sexo masculino e a faixa etária de 25 a 49 anos é a mais acometida. A maioria das picadas atinge os membros, havendo predominância do membro superior (mãos e dedos).

2. Aspectos Clínicos
Nos acidentes escorpiônicos, têm sido relatadas manifestações locais e sistêmicas.

Manifestações Locais: caracterizam-se fundamentalmente por dor no local da picada, às vezes irradiada, sem alterações do estado geral. O tratamento sintomático para o alívio da dor, feito através da utilização de analgésicos ou bloqueio local com anestésicos, consiste na principal medida terapêutica que corresponde à maioria dos acidentes registrados no país.

Manifestações Sistêmicas: menos freqüentes, caracterizam os acidentes como moderados ou graves. Além da dor local, alterações sistêmicas como hiper ou hipotensão arterial, arritmias cardíacas, tremores, agitação psicomotora, arritmias respiratórias, vômitos e diarréia. O edema pulmonar agudo é a complicação mais temida. Nesses casos, além do combate à dor e tratamento de suporte, está indicada a soroterapia. A gravidade no escorpionismo depende de fatores como a espécie e o tamanho do escorpião causador do acidente, da massa corporal do acidentado, da sensibilidade do paciente ao veneno, da quantidade de veneno inoculada e do retardo no atendimento.

Referência: Guia Brasileiro de Vigilância Epidemiológica 1998. 
Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde

 

Fonte:

http://www.saude.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=393

 

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos