Infecto-contagiosas/Epidemias - INTERFERON ALFA-2a
Esta página já teve 115.919.809 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.699 acessos diários
home | entre em contato
 

Infecto-contagiosas/Epidemias

INTERFERON ALFA-2a

20/06/2003

 

 

As informações a seguir sobre interferon alfa-2a têm como objetivo apenas a prestação de serviços à comunidade

INTERFERON

O interferon é uma substância produzida normalmente pelo organismo humano e tem a função de atuar como mediador entre várias células que ajudam a nos defender de infecções causadas por vírus agressores (como o da gripe, por exemplo), inibindo ou interferindo com a multiplicação desses vírus. Os interferons também impedem o crescimento de certos tipos de células cancerosas, estimulando o nosso corpo a lutar com elas.

As células humanas produzem 3 tipos de interferon:

interferon alfa (IFN- ), produzido pelos glóbulos brancos do sangue;
interferon beta (IFN- ), produzido pelas células de várias partes do corpo;
interferon gama (IFN- ), produzido pelas células chamadas de linfócitos T imunocompetentes.

INTERFERON ALFA

O interferon alfa-2a é uma forma sintética do interferon que o organismo produz naturalmente como parte da resposta imunológica às infecções causadas por vírus.

O interferon alfa-2a é geneticamente projetado e pode ser produzido em grandes quantidades para uso como tratamento médico.

O interferon alfa-2a pode ser utilizado no tratamento de várias doenças: hepatites pelos vírus B e C, vários tumores originados no sangue (como leucemias e linfomas) e outros tumores sólidos, como melanoma (um tipo de tumor de pele) e carcinoma de células renais.

COMO O INTERFERON AGE

O interferon age de muitas maneiras, mas suas principais ações são:

Ação antiviral: quando uma célula é infectada por um vírus, esse vírus fica alojado dentro dela. O interferon estimula a exposição dos antígenos virais na superfície das células infectadas. Reconhecendo esses antígenos, o sistema de defesa do organismo passa a atacar essas células. Nesse caso, o interferon age especificamente contra o antígeno viral que estiver na célula.

Outro tipo de ação do interferon acontece quando ele estimula direta ou indiretamente vários mediadores da resposta imunológica. Nesse caso, a ação do interferon não é específica.

Ação antiproliferativa (ou antitumoral): o interferon faz com que as células tumorais diminuam ou interrompam seu crescimento e parem de se multiplicar (no caso de pacientes com neoplasias)

Ação imunomuduladora: o interferon afeta o sistema imunológico de várias maneiras, tornando-o mais capacitado para lutar contra as doenças.

Para cada uma das doenças para as quais o interferon alfa-2a é indicado, existe uma dose, um tempo de tratamento e uma freqüência de uso. Somente o médico poderá definir o tempo de tratamento que o paciente necessita.

O médico prescreverá uma dose e um esquema de tratamento adequado para o paciente.

Depois de injetado na camada logo abaixo da pele (injeção subcutânea) ou no músculo do braço ou das nádegas (injeção intramuscular), o interferon alfa-2a é absorvido pelo sangue.

EFEITOS COLATERAIS

Normalmente, o interferon alfa-2a não está associado a efeitos colaterais graves. Os problemas mais comuns são:

Síndrome gripal. Estes sintomas acontecem mais freqüentemente nas primeiras 4 semanas após o início do tratamento. Geralmente desaparecem dentro de 2 semanas com a continuidade do tratamento, à medida que o corpo se acostuma com a medicação. Algumas horas após a aplicação, pode-se notar febre, dor de cabeça e sensação de mal estar geral. Usar a medicação à noite, antes de dormir, durante os primeiros dias, pode ajudar a resolver esses problemas. O uso de um analgésico comum também pode ajudar.

Cansaço. Se isso for um problema para você, discuta o fato com seu médico ou enfermeira. Pode ser necessária uma adaptação do uso da medicação ao seu estilo de vida.

Perda de apetite, náusea, diarréia, vômito, perda de peso e queda de cabelo podem ocorrer.

A injeção subcutânea (camada logo abaixo da pele) pode causar dor no local da injeção. Aplique as injeções nas áreas corretas e estabelecidas, mas fazendo um rodízio das áreas, para que o local descanse um pouco. Se os sintomas de vermelhidão e dor no local ficarem muito aparentes, consulte seu médico.

Quando se usa interferon alfa-2a por muito tempo (semanas ou meses), podem acontecer alterações na contagem de células do sangue. A baixa no número de glóbulos brancos é observada em mais de 70% dos pacientes; a contagem reduzida de plaquetas ocorre em 5%-50% dos pacientes com câncer que usam interferon.

FORMAS DE APRESENTAÇÃO

O interferon alfa-2a está disponível na apresentação HSA (human serun albumin) free, ou seja, não apresenta albumina humana em sua formulação.

Entre as características desse tipo de formulação estão a eliminação do risco de transmissão de doenças através do sangue e seus derivados, bem como a não formação do agregado interferon-albumina.

O Dr. Andrew Goody afirma no artigo "A Produção de Proteínas Plasmáticas Heterólogas", publicado no Trends in Biothecnology em 1993, que o risco de transmissão de doenças virais através da transfusão de sangue e produtos derivados do sangue foi minimizado mas permanece perceptível. Veja um trecho desse artigo a seguir:

"O risco tem sido bem documentado na última década. O grande potencial do mercado e os riscos de contaminação por vírus com o uso da albumina sérica humana têm direcionado para o uso de albumina heteróloga, no futuro."

Portanto, se o interferon alfa-2a não contém albumina, ou seja, não contém um hemoderivado, não há risco de transmissão de doenças virais. Essa preocupação é particularmente importante quando consideramos a possibilidade de vírus ainda desconhecidos porque para os vírus já identificados existem testes de triagem adequados.

O Dr. Thomas Duncan discute a possibilidade e o risco de transmissão de agentes virais ainda não conhecidos por transfusão de produtos derivados do sangue no artigo "Contaminção Viral de Produtos de Sangue", publicado no Lancet em 1994:

"O risco de aquisição de doenças a partir de transfusões de hemoderivados é bem reconhecido. Para prevenir esta contaminação, o sangue é testado na Inglaterra para VHB, VHC e HIV, sendo considerado seguro. No entanto, há uma preocupação dos produtores com as ‘próximas viroses’(…) Esta nova abordagem tem como justificativa clara a prevenção quanto aos agentes desconhecidos, como aconteceu com o HIV."

OBSERVAÇÕES

É importante que você nunca compartilhe o interferon alfa-2a com ninguém. É necessário armazená-lo em ambiente com uma temperatura de 2ºC a 8ºC, ou seja, dentro da geladeira, embora nunca dentro do congelador, pois o produto não pode sofrer congelamento. Mantenha-o afastado dos alimentos e nunca o coloque na porta da geladeira, pois a abertura freqüente pode produzir diferentes temperaturas na medicação.

 

Referências bibliográficas:

1.       SILVA, Luiz Caetano da. Hepatites agudas e crônicas. 2.ed. São Paulo. Sarvier, 1995.

2.       FOCACCIA, Roberto. Hepatites Virais. 1.ed. São Paulo. Atheneu, 1997.

3.       Bula do produto.

4.       Goody AR The production of heterologous plama proteins Trends in Biotechnology 11(10):430-433 1993

5.       Thomas DP Viral contamination of blood products Lancet 343(8913):1583-1584 1994

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos
 
Hacked by
#TeaMGh0sT

~ DB GOT DROPPED ~