-
Esta página já teve 133.098.967 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.666 acessos diários
home | entre em contato
 

Obesidade:Adulto/Infantil/Bariátrica

Gasto energético corporal: conceitos, formas de avaliação e sua relação com a obesidade

06/06/2008

Arquivos Brasileiros de Endocrinologia& Metabologia

 

Arq Bras Endocrinol Metab v.52 n.3 São Paulo abr. 2008

doi: 10.1590/S0004-27302008000300005 

REVISÃO

 

Gasto energético corporal: conceitos, formas de avaliação e sua relação com a obesidade

 

Human energetic expenditure: concepts, assessment methods and relationship to obesity

 

 

Camila Maria de MeloI; Julio TirapeguiI; Sandra Maria Lima RibeiroII

IFaculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF) da Universidade de São Paulo (USP), SP, Brasil
IIEscola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) da USP, SP, Brasil

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

A obesidade, apesar de intensamente estudada nos últimos anos, ainda apresenta muitas controvérsias, entre elas a sua relação com o gasto energético (GE). O presente estudo representa uma revisão da literatura procurando abordar: as técnicas existentes para avaliação do GE, com suas vantagens e limitações e as relações existentes entre GE e a obesidade. O GE pode ser avaliado por métodos calorimétricos, espectrométricos, ou mesmo por questionários. De acordo com os objetivos e as possibilidades da pesquisa, todas as técnicas apresentam pontos positivos e limitações. Os indivíduos obesos têm sido apontados como "econômicos", do ponto de vista metabólico, ou seja, gastariam menos energia do que os não obesos. Essa economia tem sido investigada a partir de cada componente do GE diário (GED) (GE de repouso, efeito termogênico à alimentação ou GE da atividade física) e os resultados são bastante controversos. Paralelamente às análises do GE em humanos, estudos moleculares têm auxiliado no esclarecimento desse tema tão complexo. Diferentes hormônios, especialmente os secretados pelo adipócito, bem como proteínas específicas em vários tipos de células, têm auxiliado na compreensão do GE corporal. Muitos estudos ainda são necessários, e é importante que se padronizem as técnicas, de maneira que se permita maior reprodutibilidade dos resultados.

Descritores: Gasto energético; Obesidade; Avaliação


ABSTRACT

Despite many studies in the last years, obesity still needs more investigation, including its relation with energetic expenditure (EE). This manuscript consisted of a review considering: the existing techniques to measure EE, showing their advantages and limitations and modifications in EE due to obesity. EE can be evaluated by calorimetric methods, spectroscopic methods, or by questionnaires. According to the researchs objectives and possibilities, all techniques present advantages and limitations. Obese individuals have been recognized as "economics" in metabolic point of view, which means that they are able to expend little energy, compared to non-obese individuals. This economy has been investigated in many aspects. They have been analyzed every component of daily energetic expenditure (resting EE, thermogenic response to feeding and EE by physical activity), and the results are controversial, mainly because of the lack on standardization of procedures and techniques. Together with evaluation of EE in humans, molecular studies have contributed to clarify many aspects. They have been identified hormones and cellular proteins located in different kinds of cells. Studies are still necessary, and it is imperative to standardize the procedures and techniques to allow the reproducibility of the results.

Keywords: Energetic expenditure; Obesity; Evaluation

 

http://www.scielo.br/scielo.php?lng=pt&script=sci_arttext&pid=S0004-27302008000300005

 

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos