Curiosidades da Dra Shirley -
Esta página já teve 133.088.870 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.664 acessos diários
home | entre em contato
 

Curiosidades da Dra Shirley

A história do Rapel

05/07/2008
 

foto01.jpg

O nome rapel vem do francês "rappeler" e siguinifica trazer/recuperar.
A técnica foi “inventada” em 1879 por Jean Charlet-Stranton e seus companheiros Prosper Payot e Frederic Folliguet durante a conquista do Petit Dru, paredão de rocha que lembra um obelisco, coberto de gelo e neve, perto de Chamonix, na França.
 

 


 Descendo depois da conquista do cume, ele descreve os momentos do nascimento do Rapel: “Eu enrolava a minha corda em volta de uma saliência da montanha e, por outro lado, eu a tinha vigorosamente fechada em minha mão, pois se ela viesse a escapar de um lado seria retida do outro. Se uma saliência me permitia, eu passava a corda dupla em sua volta e lançava à meus dois companheiros abaixo as duas pontas que eles deviam ter nas mãos antes que eu começasse a descer.
 


Quando eu era avisado que eles tinham as pontas da corda em mãos eu começava a deslizar suavemente ao longo da rocha segurando firmemente a corda nas duas mãos. Eu era recebido pelos meus dois companheiros que deviam me avisar que eu havia chegado a eles, pois nem sempre era possível ver o que havia debaixo de mim. Descendo de costas eu me ocupava unicamente em segurar solidamente a corda com minhas duas mãos, sem ver onde eu iria abordar. Quando chegava perto de meus companheiros eu puxava fortemente a corda por uma de suas pontas e assim a trazia de volta para mim. Em duas ocasiões nós tivemos que renunciar a tentativa de recuperá-la, ela estava presa em fendas nas quais penetrou muito profundamente. Neste dois lugares, pude estimar, deixamos 23 m de corda. (...)”.


Por ser uma atividade de alto risco para os franceses, eles viram-se obrigados a trocarem suas cordas feitas de algodão compressado, que muitas vezes não duravam e se rompiam facilmente nas arestas vivas, por equipamentos especializados e de alta resistência, surgindo assim algumas empresas pioneiras em materiais de exploração.
À medida que as explorações e técnicas foram se popularizando, o Rapel foi se tornando uma forma de atividade praticada nos finais de semana, surgindo assim novas modalidades, mas até hoje é usado profissionalmente nas forças armadas para resgates, ações táticas e explorações, por ser a forma mais rápida e ágil de descer algum obstáculo.

Acredita-se que o rapel apareceu no Brasil há 15 anos com os primeiros espeleólogos que iniciaram a pesquisa e estudo das cavernas no País. Somente nos últimos anos ele tem sido visto como esporte. Os rapeleiros, como são chamados os seus praticantes, descem cachoeiras, grutas e até prédios utilizando um material específico que garante a segurança e o sucesso da descida. Durante este trajeto, é possível realizar algumas manobras na cadeirinha, como balançar e até ficar de cabeça para baixo. Em todo o País, não se sabe o número exato de rapeleiros. Existem profissionais credenciados, mas também os rapeleiros de fim de semana. Estima-se que o número pode chegar a 4 mil.

A confraternização entre grupos de rapeleiros não é rara. Apesar de não haver uma confederação ou qualquer outro tipo de organização para o esportel, as associações criadas em algumas cidades do País tentam manter contato entre elas. Normalmente, os encontros, quando acontecem, são na Chapada Diamantina, ao sul da Bahia, Minas Gerais e São Paulo.

Não há muitas regras a serem seguidas quanto a escolha do local. O rapel pode ser praticado em qualquer lugar: dentro de poço de elevador, parede de prédios, árvores e montanhas. Um dos mais excitantes é o rapel de cachoeira (canyoning). Algumas cachoeiras são até 90% negativas (não há contato nenhum de apoio nem dos pés, nem das mãos), dando maior liberdade para manobras e aumentando a emoção.

Para os rapeleiros, o verdadeiro risco de alguma coisa sair errada não existe se todas as precauções forem tomadas. O perigo está em pessoas desqualificadas, improvisação de material e descer lugares de risco sem antes verificar a resistência das paredes ou se rolam pedras.

Por: Redação E-Radicais


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos