-
Esta página já teve 135.332.720 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.660 acessos diários
home | entre em contato
 

Obesidade:Adulto/Infantil/Bariátrica

Apnéia do Sono em Obesos

01/09/2008

Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia

 

Arq Bras Endocrinol Metab vol.44 no.1 São Paulo Feb. 2000

doi: 10.1590/S0004-27302000000100013 

artigo original


Apnéia do Sono em Obesos

Marcio C. Mancini
Flavio Aloe
Stella Tavares

Serviço de Clínica Médica de
Emergência e Grupo de Obesidade e
Doenças Metabólicas do Serviço de
Endocrinologia e Metabologia do
Hospital das Clínicas da Faculdade de
Medicina da Universidade de São
Paulo, Centro Interdepartamental
para Estudos do Sono (CIES) do
Hospital das Clínicas da Faculdade de
Medicina da Universidade de
São Paulo e Centro de Distúrbios do
Sono do Hospital Israelita Albert
Einstein, São Paulo, SP.

 

RESUMO

Obesidade tem alto prevalência na população geral gerando custos econômicos para a sociedade. Indivíduos obesos apresentam risco maior de desenvolver de diabetes mellitus, doenças cardiovasculares, dislipidemia, e outras doenças crônicas como a Síndrome da Apnéia Obstrutiva do Sono (SAOS). A SAOS é uma doença crônica, progressiva, incapacitante, com alta mortalidade e morbidade cardiovascular. Os sintomas noturnos incluem roncos, pausas respiratórias, sono agitado com múltiplos despertares, noctúria e sudorese. Os sintomas diurnos são principalmente sonolência excessiva, cefaléia matinal, déficits neurocognitivos, alterações de personalidade, redução da libido, sintomas depressivos e ansiedade. Fatores anatômicos e fatores funcionais contribuem para esta instabilidade das VAS. O diagnóstico de confirmação é feito pela polissonografia, que também estabelece critérios de gravidade. O tratamento está centrado em quatro pontos: tratamento da obesidade, tratamento comportamental da SAOS, tratamento físico e procedimentos cirúrgicos. Em pacientes selecionados algumas drogas podem ser úteis no sentido de diminuir o número ou a duração dos períodos de apnéia. A possibilidade de hipotiroidismo deve sempre ser descartada, uma vez que em alguns casos a reposição com tiroxína pode levar a desaparecimento da apnéia. Também foram desenvolvidos aparelhos intra-orais removíveis e pacientes menos obesos e com alterações específicas palatofaríngeas apresentam melhores chances de resposta cirúrgica à úvulo-pálato-faringoplastia. (Arq Bras Endocrinol Metab 2000; 44/1: 81-90)

Unitermos: Apnéia do sono, Obesidade, Diagnóstico, Tratamento

ABSTRACT

Obesity is a disease with high prevalence and obese individuals have a higher risk of cardiovascular diseases, diabetes mellitus, dyslipidemia and Obstructive Sleep Apnea Syndrome (OSAS). OSAS is a chronic, progressive, incapacitating disease with high cardiovascular mortality and morbidity. Clinical symptoms include snoring, respiratory pauses, agitated sleep, nocturia, sudoresis, excessive sleepiness, headache in the morning, neurocognitive deficits, personality and libido changes, depressive symptoms and irritability. Anatomic and functional factors can contribute to the instability of the upper respiratory tract. The confirmations is made by the polisomnography, that also stablish severity criteria. Treatment is based in four points: obesity, behavioral, physical and surgical treatments. In selected patients, some drugs can be useful. Hypothyroidism must be always screened. Intraoral ortesis were developed and patients with normal weight with specific palatopharingeal changes have better chances to success in surgery (uvulopalatopharingoplasty) (Arq Bras Endocrinol Metab 2000; 44/1: 81-90)

Keywords: Sleep apnea; Obesity; Diagnosis; Treatment

 

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-27302000000100013

 

 

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos