Diabete/Diabetes -
Esta página já teve 133.027.618 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.671 acessos diários
home | entre em contato
 

Diabete/Diabetes

Uso da monitorização contínua de glicose (CGMS) por quatro (96 horas) ou cinco (120 horas) dias em pacientes com DM1: existe vantagem?

05/09/2008

Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia

 

Arq Bras Endocrinol Metab v.52 n.3 São Paulo abr. 2008

doi: 10.1590/S0004-27302008000300010 

ARTIGO ORIGINAL

 

Uso da monitorização contínua de glicose (CGMS) por quatro (96 horas) ou cinco (120 horas) dias em pacientes com DM1: existe vantagem?

 

Continuous glucose monitoring system (CGMS) in type 1 diabetic patients during 4 (96h) or 5 (120h) days: there is advantage?

 

 

Frederico F. R. MaiaI; Levimar R. AraújoII

IDepartamento de Fisiologia da Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais (FCMMG)
IIClínica de Endocrinologia e Metabologia do Hospital Universitário São José da FCMMG, Belo Horizonte, MG, Brasil

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

OBJETIVO: Avaliar a acurácia, as complicações e o impacto no controle glicêmico de pacientes com diabetes melito tipo 1 (DM1) submetidos ao uso da monitorização contínua de glicose (CGMS) por quatro e cinco dias.
MÉTODOS: Estudamos 36 pacientes DM1 (44,5%M/55,5%F), divididos em três grupos, com idade, tempo de DM e A1c semelhantes (p < 0,05), submetidos ao CGMS por 72 h (G1), 96 h (G2) e 120 h (G3). Foram analisados: GC média e pelo sensor, número de leituras, coeficiente de correlação, mediana da diferença absoluta (MAD%); complicações (trauma, infecção, desconexão, abandono); hiperglicemia pós-prandial (HPP) e hipoglicemia assintomática (< 70 mg/dl). Os níveis de A1c após três meses e um ano foram determinados nos três grupos.
RESULTADOS: Não houve diferença técnica entre os grupos: coeficiente de correlação > 0,79 e MAD% < 28% (p < 0,01) em 95%. O uso do sensor por > 72 h não se associou com erro de sinal, desconexão, trauma, alarmes ou infecção local (p < 0,01). Verificou-se alta correlação entre GC média e pelo sensor, nos três grupos (p = 0,01). A hipoglicemia silenciosa foi mais duradoura (min.) à noite versus dia (p = 0,05), em todos os grupos. A HPP foi estatisticamente mais detectada nos grupos 1 e 3. Observou-se redução significante da A1c três meses após a CGMS no G1 (72 h) e G3 (120 h) (p < 0,001 e p = 0,002, respectivamente), que se manteve após um ano (p < 0,001 e p = 0,047, respectivamente).
CONCLUSÃO: Evidenciamos alta acurácia/eficácia técnica com baixo índice de complicações em pacientes submetidos ao CGMS por 96 h ou 120 h. Não verificamos benefícios em relação à CGMS por 72 h quanto à redução da A1c em curto (três meses) e médio (um ano) prazo. O sensor CGMS pode ser utilizado por > 72 h, sem prejuízo técnico, mas sem grandes benefícios do ponto de vista clínico, para pacientes com DM1.

Descritores: Sistema de monitorização contínua da glicose; Diabetes melito tipo 1


ABSTRACT

BACKGROUND: To evaluate the accuracy, complications and impact in glycemic control in type 1 diabetic patients (DM1) submitted to 4 or 5 days of CGMS.
METHODS: We studied 36 DM1 patients (44.5%M/55.5%F), in three groups without no difference about age, DM duration and A1c levels (p < 0.05), submitted to 72h (G1), 96h (G2) and 120h (G3) CGMS profile. It were analyzed: capillary glycemia (CG) and mean CGMS sensors glycemic value; correlation coefficient, median absolute percent difference (MAD%), number of sensor reading, complications (trauma, local infection, disconnection, dropped), postprandial hyperglycemia, unrecognized hypoglycemia (< 70 mg/dl). A1c levels were measured at the start (1 month before) and after 3 and 12 months in each group.
RESULTS: No technical difference were observed into 3 groups: correlation coefficient > 0.79 and MAD < 28% in 95% (p < 0.01). The use of CGMS sensor more than 72h was not related to signal error, trauma, local infection or disconnection. The mean capillary glucose values showed no difference by glucose CGMS sensor (p = 0.01) in all groups. The nighttime episodes of hypoglycemia lasted longer (min) than daytime episodes in all groups (p = 0.05). The postprandial hyperglycemia was statistically identified in groups 1 and 3. This data showed significant decreased A1c level three months after the CGMS in G1 (72h) and G3 (120h) (p < 0.001 and p = 0.002, respectively), which sustained after 1 year (p < 0.001 e p = 0.047, respectively).
CONCLUSIONS: The CGMS showed to be a very safety method, with high accuracy/technical efficacy in patients undergoing 96 h and 120 h of CGMS. We do not observed advantages in the use of CGMS during 96 h or 120 h against 72 h in decrease A1c levels after 3 and 12 months. It is possible the use of CGMS > 72h, with no technical damage. However, we do not observed significant clinical benefits of this conduct in DM1 patients.

Key-words: Continuous glucose monitoring system; Type 1 diabetes mellitus

 

http://www.scielo.br/scielo.php?lng=pt&script=sci_arttext&pid=S0004-27302008000300010

 

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos