Ginecologia/Mulher - Reflexo pudendo-anal em mulheres normais
Esta página já teve 132.442.720 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.709 acessos diários
home | entre em contato
 

Ginecologia/Mulher

Reflexo pudendo-anal em mulheres normais

12/09/2008

Arquivos de Neuro-Psiquiatria

 

Arq. Neuro-Psiquiatr. vol.62 no.3b São Paulo Sept. 2004

doi: 10.1590/S0004-282X2004000500019 

Reflexo pudendo-anal em mulheres normais

 

Pudendo-anal reflex in normal women

 

 

Geraldo de Aguiar CavalcantiI; Gilberto Mastrocola ManzanoII; Homero BruschiniIII; Lydia Maria GiulianoIV; Miguel SrougiV; João Antônio Maciel NóbregaVI

Disciplinas de Urologia e Neurologia da Universidade Federal de São Paulo São Paulo, Brasil. (UNIFESP/EPM):
IMédico, Pós-graduando da Disciplina de Urologia da UNIFESP-EPM
IIMédico, Professor Afiliado, Setor de Neurofisiologia Clínica, Disciplina de Neurologia da UNIFESP-EPM
IIIMédico, Livre docente, Professor Adjunto, Disciplina de Urologia da UNIFESP-EPM
IVBiomédica, Setor de Neurofisiologia Clínica, Disciplina de Neurologia da UNIFESP-EPM
VMédico, Livre docente, Professor Titular, Disciplina de Urologia da UNIFESP-EPM
VIMédico, Livre docente, Professor Adjunto, Setor de Neurofisiologia Clínica, Disciplina de Neurologia da UNIFESP-EPM

 

 


RESUMO

São descritas observações do registro do reflexo pudendo-anal em mulheres sem queixas de incontinência urinária. Foram estudadas 31 voluntárias adultas, com estimulação elétrica bilateral e independente do clitóris e registros de superfície em ambos os lados do músculo esfíncter externo do ânus (EEA). As respostas foram obtidas com pulsos duplos de 0,2 ms de duração e intervalos de 5 ms, aplicados a uma freqüência menor que 0,5 Hz. Foram medidas as latências iniciais das respostas. Não foram evidenciadas diferenças entre as respostas obtidas de cada lado do EEA e nem entre os lados, com relação aos estímulos. Uma das voluntárias não apresentou respostas após estimulação de um dos lados. Não foram observadas diferenças relacionadas a paridade total e nem com a presença de partos vaginais. A idade e o índice de massa corpórea não se correlacionaram com as respostas. Em 12% das respostas, a medida das latências foi dificultada pela baixa relação sinal-ruído.

Palavras-chave: assoalho pélvico, neurofisiologia, urodinâmica, reflexos sacrais, incontinência urinária.


ABSTRACT

The pudendo-anal reflex was studied in a sample of 31 normal women. Responses were obtained after bilateral independent stimulation of the clitoris, with surface recordings from both sides of the external anal sphincter. Reponses were elicited with double-pulses of 0,2 ms duration with a interstimulus interval of 5 ms, frequency of stimulation was lower than 0,5 Hz. A minimal of four responses were recorded after supramaximal stimulation. In one volunteer no response was recorded after unilateral stimulation. Latencies of the responses from the right and left sides of the anal sfincter after right and left stimulation were 36.35±6.37, 36.28±6.23, 35.88±4.68, 36.44±4.45ms, respectively. No relation was detected between latencies and age, body mass index and parity (considering either total parity or vaginal delivery only). In 12% of the recordings uncertainty was introduced in the latency measurements related to a poor signal-noise ratio.

Key words: pelvic floor, neurophysiology, urodynamics, urinary incontinence, sacral reflexes.

 

http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0004-282X2004000500019&script=sci_arttext

 

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos