-
Esta página já teve 134.609.319 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.672 acessos diários
home | entre em contato
 

Fertilização in vitro/Infertilidade/Reprodução

O que faz um embrião se aderir?

13/10/2008

 

O que faz um embrião se aderir?

What makes an embryo to stick?
Fazleabas AT e Kim JJ, Chicago, EUA


Em humanos uma implantação bem sucedida requer uma sincronia entre um embrião apropriadamente desenvolvido e um endométrio receptivo previamente estimulado hormonalmente. Muitos desenvolvimentos ocorreram no tratamento da infertilidade, mas a implantação embrionária ainda permanece como o maior fator limitante na TRA.

L-seletina que é responsável pela adesão de leucócitos à parede dos vasos, é recrutada pelo blastocisto para iniciar a interação com o endométrio. O útero receptivo produz mais carboidratos na superfície do epitélio que irá aderir à L-seletina. As células trofoblásticas do blastocisto começam a expressar a L-seletina após ter ocorrido o hatching.

Esta interação entre a L-seletina expressa pelo trofoblasto e os oligossacarídeos expressos pelo endométrio ode constituir o passo inicial no processo de implantação.

Na biologia vascular, a L-seletina é responsável pelo processo de rolagem dos leucócitos. Esta rolagem é um pré-requisito para que os leucócitos adiram firmemente ao endotélio. A aposição do embrião na superfície uterina lembra o comportamento de rolagem dos leucócitos, porque a L-seletina está envolvida e por ser inicialmente um processo instável.

Uma questão fundamental que ainda não foi respondida: o que seria responsável pela transição da adesão (fraca) mediada pela L-seletina para a adesão firme que permite ao trofoblasto transmigrar na parede uterina e estabelecer a placenta. As interações subseqüentes seriam outras moléculas de adesão como a integrina, trofinina.

Um recente estudo de cocultura endometrial demonstrou um aumento significante na taxa de gravidez de pacientes com perdas anteriores de repetição após TRA. A cocultura aumenta a “troca de informações” entre endométrio/embrião, desta forma aprimorando a habilidade do blastocisto em aderir e implantar após TE?

Como se aumentaria a expressão da L-seletina pelo blastocisto? Essa indução programada está associada com o desenvolvimento embrionário? O aumento dos oligossacarídeos no epitélio endometrial aumentaria a expressão da L-seletina pelas células trofoblásticas como resultado de um dialogo intimo materno-embrionário? Após a aposição qual as moléculas deflagram a estabilização embrionária? Quais os caminhos sinalizados modificariam o ambiente uterino para permitir a invasão trofoblástica? A expressão continuada da L-seletina pelo trofoblasto que está invadindo na interface materno-fetal o dispositivo que direciona estas células à vasculatura materna?

Alteração nesses eventos em gestação inicial pode ser responsável por perdas não-cromossômicas da gravidez, e que continua sendo uma preocupação clinica importante na reprodução humana.

Fonte:
Alessandro Schuffner
   

Research Fellowship no Jones Institute for Reproductive Medicine, Norfolk, EUA.
Integrante da Comissão de Endocrinologia Reprodutiva da Soc. Brasileira de Reprodução Humana - SBRH   
Integrante do Comitê de Reproduçao Humana da Soc. Ginecologia e Obstetrícia do Paraná - SOGIPA

Conceber - Centro de Medicina Reprodutiva
www.clinicaconceber.com.br

Av. República Argentina, 210/17º andar
Curitiba - PR
41 3039-5556

 

 

 


 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos