-
Esta página já teve 133.107.066 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.663 acessos diários
home | entre em contato
 

Pediatria/Criança

Indicadores imunológicos (IgM e proteína C-reativa) nas infecções neonatais

20/10/2008

Revista da Associação Médica Brasileira

 

Rev. Assoc. Med. Bras. vol.44 n.3 São Paulo July/Sept. 1998

doi: 10.1590/S0104-42301998000300005 

Artigo Original

 

Indicadores imunológicos (IgM e proteína C-reativa) nas infecções neonatais

F.A.C. Vaz, M.E.J. Ceccon, E.M.A. Diníz, F. Valdetaro

 

Departamento de Pediatria e Instituto da Criança do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP

RESUMO — A sepse, no período neonatal, está associada com a presença de fatores de risco para infecção e com o estado imunológico do recém-nascido.
OBJETIVO: Verificar, em recém-nascidos com fatores de risco para infecção, o papel da proteína C reativa (PCR) e da imunoglobulina M (IgM) como indicadores de infecção.
CAUSÍSTICA E METODOLOGIA: Foram estudados 57 recém-nascidos que apresentavam, como fatores de risco para infecção: ruptura prematura de membranas, associada ou não a amnionite clínica ou a infecção de trato urinário. Estes foram classificados em três grupos, de acordo com a idade gestacional <34 semanas, entre 34-36 6/7 semanas e (>37 semanas). O diagnóstico de infecção foi baseado em critérios clínicos e laboratoriais, e foram incluídos entre os métodos de diágnóstico a dosagem de PCR e de IgM. Os exames laboratoriais foram colhidos ao nascimento e no quinto dia de vida.
RESULTADOS: Dos 57 recém-nascidos estudados, 18 (31,5%) apresentaram sepse, sendo 13 (22,8%) a forma precoce e cinco (8,7%) a forma tardia. Houve associação estatisticamente significante entre idade gestacional, peso e presença de infecção, constituindo o grupo com idade gestacional inferior a 34 semanas o mais acometido e o que apresentou também maior número de óbitos relacionados com o processo infeccioso. Não se observou associação estatisticamente significante entre sexo e infecção nos três grupos estudados. Em relação à IgM, houve diferença estatisticamente significante entre níveis séricos médios de IgM dos RNs infectados que se mostraram superiores aos dos não-infectados nos três grupos de idade gestacional, tanto ao nascimento como no quinto dia, sendo esta diferença mais evidente no quinto dia. Constatou-se forte associação estatística entre níveis de PCR >10mg/litro e presença de infecção nos três grupos estudados.
CONCLUSÕES: Nesta casuística, a PCR foi o melhor indicador de infecção, revelado-se esta prova confiável para seguimento clínico no quinto dia de vida, e naqueles casos que apresentaram infecção tardia foi a primeira prova a se mostrar alterada.

UNITERMOS: Recém-nascido. Sepse. Imunoglobulina M. Proteína C-reativa.

 

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-42301998000300005

 

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos