-
Esta página já teve 133.052.792 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.667 acessos diários
home | entre em contato
 

Obesidade:Adulto/Infantil/Bariátrica

Metformina mantém o peso corpóreo e os benefícios metabólicos após tratamento com rimonabanto

31/10/2008
 

Metformina mantém o peso corpóreo e os benefícios metabólicos após tratamento com rimonabanto em mulheres obesas com síndrome dos ovários policísticos

São Paulo, 14 de Outubro de 2008

Demonstrou-se que o rimonabanto reduz o peso corpóreo, o índice de andrógenos livres (FAI) e a resistência insulínica em pacientes obesas com síndrome dos ovários policísticos, comparado a metformina. Estudos mostraram que recuperação significativa de peso ocorre após a interrupção do tratamento com rimonabanto. Pesquisadores publicaram, recentemente, no Clinical Endocrinology, um estudo em que procuraram determinar se o tratamento subseqüente com metformina após rimonabanto manteria a melhora do peso corpóreo, resistência insulínica e a hiperandrogenia na síndrome dos ovários policísticos.

 

Foi realizado um estudo de extensão por três meses com o acréscimo de metformina ao estudo paralelo aberto randomizado com metformina e rimonabanto em 20 pacientes com síndrome dos ovários policísticos e índice de massa corpórea > 30 kg/m². Pacientes que utilizaram rimonabanto por três meses passaram a utilizar metformina por três meses, enquanto que pacientes em uso de metformina por três meses continuaram a utilizar metformina por mais três meses. O desfecho primário foi a alteração do peso; desfechos secundários foram alteração do FAI e da resistência insulínica.

 

A perda ponderal média igual a 6,2 kg associada a três meses de tratamento com rimonabanto foi mantida por três meses de tratamento com metformina (alteração média: +0,2 kg; p = 0,96). Portanto, a redução percentual do peso permaneceu significativamente maior no grupo rimonabanto/metformina comparado a apenas metformina em pacientes após seis meses, comparada aos valores basais (-6,0 + 0,1 vs –2,8 + 0,1%; p = 0,04). A alteração percentual dos níveis de testosterona e de FAI em relação ao basal e após seis meses também foi maior no grupo tratado com rimonabanto/metformina [Testosterona +-45,0 + 5,0% vs –16 + 2,0%; p = 0,02); FAI (-53,0 + 5,0% vs –17,0 + 12,2%; p = 0,02)]. HOMA-IR continuou a diminuir significativamente no grupo rimonabanto/metformina entre 0, 3 e 6 meses (4,4 + 0,5 vs 3,4 + 0,4 vs 2,7 + 0,3, respectivamente; p < 0,01), porém não em todos os pacientes do grupo metformina (3,4 + 0,7 vs 3,4 + 0,8 vs 3,7 + 0,8, respectivamente). Colesterol total e LDL reduziram-se significativamente em ambos os grupos, porém melhoras dos níveis de triglicérides e HDL foram limitadas ao grupo rimonabanto/metformina.

 

Os pesquisadores concluíram que, em pacientes obesas com síndrome dos ovários policísticos, metformina manteve o peso corpóreo e aumentou os parâmetros metabólicos e bioquímicos adquiridos pelo tratamento com rimonabanto, comparada a seis meses de tratamento com metformina isoladamente.

Uma resenha de Metformin maintains the weight loss and metabolic benefits following rimonabant treatment in obese women with polycystic ovary syndrome - Clinical Endocrinology 2008

 

Fonte:

 

http://www.medicalservices.com.br/naologadas/noticias_cientificas/exibe.php?topo=http://www.medicalservices.com.br/naologadas/noticias_cientificas/tp_frm/cli.htm&arquivo=http://www.endoclub.com.br/materias/3901-4000/3971.html

 

 

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos