-
Esta página já teve 132.474.591 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.706 acessos diários
home | entre em contato
 

Gravidez/Parto/Obstetrícia

A hiperemese gravídica

24/11/2008

 

Severino Rodrigues de Figueiredo

Introdução

O quadro clinico de hiperemese gravídica encontramos naquela paciente no curso de sua gestação, que apresenta náuseas e vômitos, muitas vezes levando a um comprometimento de seu estado nutricional.


Acomete 60% a 80% das gestantes no primeiro trimestre no período gestacional compreendido entre a 12-16 semanas.


Fatores etiológicos:

Multifatorial, há os componentes afetivos, psicossocial e psicodinâmico, em suas varias modalidades.
E um quadro clinico muito controverso, mas o que está mais em evidencia são, os níveis elevados de estrógenos, progesterona, gonadotrofinas coriônicas, relaxamento da musculatura lisa do estomago e os componentes imunológicos.

Solução clinica:

Melhora à medida que aumenta a idade gestacional.
Agravando-se com a piora da sintomatologia, podendo chegar a um D.H.E com suas variações metabólicas , perda de peso, que em media é de 4% a 10%. Chegando-se a um internamento, em virtude do agravamento do quadro clinico com conseqüências para o concepto.

Diagnostico Diferencial:

Faz-se necessários excluir patologias que apresentam o quadro clinico descrito, pois as patologias abaixo relacionadas cursam com náuseas e vômitos, tais como:

  • Patologias metabólicas
  • Patologias gástricas
  • Patologias renais
  • Fármacos irritantes da mucosa gastrica
  • Obstrução intestinal
  • Neoplasias
  • Meningite
  • Hérnia de hiato
  • Síndrome HELLP.

    Fatores predisponentes:

    Podemos citar a gemelidade, primigestas, adolescentes, gravidez não programada.

    Laboratório.

    Os exames de laboratório, são importantes para um acompanhamento e instituirmos uma terapêutica adequada. E também fazermos o diagnostico diferencial com outras patologias,podemos pedir:

  • Hemograma
  • Provas de função hepática
  • Uréia e creatinina
  • Amilase
  • Sódio e Potassio
  • Glicemia
  • Função tiroidiana.
  • Complementado com US Obstétrica e
  • US abdomem total.

    Complicações:

    Podemos citar hemorragias retinianas, pneumonite por aspiração, icterícia por lesão hepática.

    Conduta:

    Avaliação clinica da paciente, hidratação, reposição de eletrólitos, complexos vitamínicos, Evitar alimentos irritantes gástricos, gorduras.
    Acompanhamento por Nutricionista
    Acompanhamento por Psicólogo.

    Conclusão:

    O acompanhamento da gestante é multidisciplinar, pois há necessidade do acompanhamento somático e psíquico da paciente em virtude desta fase de transição na vida da mulher. Pois no periodo gestacional poderão vir à tona, aspectos de sua vida que se encontravam em período de latência e se exteriorizaram com a gravidez.

    Bibliografia:

  • Manual de Condutas em Obstetrícia- Hermógenes Chaves netto.
  • Protolocolos de Condutas em Gestação de Alto Risco
  • Obstetrícia- Jorge de Resende
  •  

    http://www.portaldeginecologia.com.br/modules.php?name=News&file=article&sid=93

     

     


    IMPORTANTE

    •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
    • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
    Publicado por: Dra. Shirley de Campos
    versão para impressão

    Desenvolvido por: Idelco Ltda.
    © Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos