- O Trabalho de parto prematuro
Esta página já teve 132.496.596 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.701 acessos diários
home | entre em contato
 

Gravidez/Parto/Obstetrícia

O Trabalho de parto prematuro

29/11/2008


(Parto Prematuro; Parto Pré-Termo; Trabalho de Parto Pré-Termo)

 

Início de TRABALHO DE PARTO antes do nascimento a termo, mas geralmente após o feto ter-se tornado viável. Nas mulheres ocorre em algum momento entre a 29ª e a 38ª semana de gravidez. A tocólise inibe o trabalho de parto prematuro e pode impedir o NASCIMENTO de PREMATUROS.
 
 
 
Severino Rodrigues de Figueiredo

Para diagnostico de parto prematuro é o que ocorre em gestação maior que 22 semanas e menor que 37 semanas na presença de contrações e dilatação do colo.
No curso da gravidez o parto prematuro continua sendo um desafio para o obstetra em decorrência das condutas frente a um parto prematuro. Sabe-se que a prematuridade ocorre em média de 10% dos nascimentos. Cada vez mais estudos tentam delinear os limites para predição de um parto prematuro. O colo curto≤25mm medido em 23 e 24 semanas de gestação e fibronectina fetal positiva foram indicadores de melhor poder preditivo De acordo com a OMS parto prematuro é aquele que ocorre antes da 37 semanas de gestação e mais de 22 semanas.

Dos partos prematuros 1/3 são por rotura prematura das membranas pré termo, 25% decorrente de infecções e 45% de causa ignorada

FATORES DE RISCO PARA PREMATURIDADE

  • Infecções urinárias.
  • Hipertensão arterial
  • Adolescentes
  • Fertilização assistida
  • Aminiorrexe prematura
  • Infecções congênitas: sífilis,toxoplasmose,citomegalovirus,herpes congênitas.
  • Vaginites.
  • Gravidez multipla.
  • Poliidrâmiio
  • Concepção nos extremos da vida reprodutiva.
  • Desnutrição.
  • Stress
  • Fatores emocionaise
  • Exercícios físicos excessivos
  • Tabagismo,Alcoolismo,Drogas ilícitas
  • Traumatismos
  • Abortamentos
  • Anomalias congênitas
  • Descolamento prematuro de placenta
  • Placenta prévia .
  • Alnomalias uterinas , miomas conização,cervicite, corioamnionite
  • Iimcopetencia istmocervical,
  • prematuros anteriores.

    CONSEQUENCIAS DA PREMATURIDADE PARA O RECEM NATO

    Síndrome da angustia respiratória(imaturidade pulmonar, considerado um grande problema para os neonatologistas, pois os pulmões começam a ser desenvolver, após 1 mês de concepção.
    Pois no pematuro os pulmões são forçados a funcionar num ambiente aéreo, quando deveriam estae se desenvolvendo num meio liquido).

  • Hemorragia intraventricular
  • Enterocolite necrotizante
  • Sepse neonatal.
  • Deficiências neurológicas.
  • Déficit de aprendizagem

    COMPLICAÇÕES DOCORRENTES DA ROTURA DAS MEMBRANAS

  • infecção do feto
  • infecção materna
  • prematuros
  • hipoxia fetal
  • prolapso de cordão

    Critérios Diagnósticos.

    Paciente gestante que procura o serviço médico, informando perda de liquidos pelos genitais
    No exame temos que diferenciar perda de urina, corrimentos etc.
    Cor do liquido, presença de mecônio etc
    Dilatação do colo, presença de contrações.

    IDADE GESTACIONAL

    Colhemos material do canal cervical para os procedimentos de cristalização do muco cervical.
    Determinação do PH
    Pesquiza de gordura fetais
    Auxilio de ultrasonografia

    QUANDO DEVEMOS INTEROMPER A GRAVIDEZ

  • Maturidade fetal.
  • Preseença de mecônio
  • Liquido de odor fétido
  • Infecção
  • Trabalho de Parto.

    CONTRA-INICAÇÕES DA TOCÓLISE.
  • Morte fetal
  • sofrimento fetal
  • sangramento vaginal
  • doenças hipertensivas da gravidez
  • Mal formações fetais incompatíveis com a vida
  • rutura das membranas aminioticas coioaminionite

    CONDUTA

    Depende do profissional, frente a situação, deve der feita uma avaliação com todos os parâmetros citados acima, em uma maternidade segura com UTI neonatal.
    Levando-se em consideração a idade da gestação, peso do concepto para se interromper ou não, a gestação avaliando os risco/beneficio .E as drogas utilizadas respeitando-se as contra indicações.

    Bibliografia.

  • Obstetrícia- Protocolos de diagnostico e tratamento- Delosmar Mendonça
  • Princípios emergenciais em Obstetrícia- Francisco L. Gonzaga
  • Manual de Condutas em Obstetrícia- Hermógenes Chaces Neto
  • Protocolos de Condutas em Gestação de alto risco- Sergio Pereira da Cunha
  • Segredos em Ginecologia e Obstetrícia- Helen M Frederickson
  • Obstetrícia Básica- Bussamara Neme
  • Gestação de Alto Risco- Manual do Ministerio da Saude
  •  

    Fonte:

     

    http://www.portaldeginecologia.com.br/modules.php?name=News&file=article&sid=86

     

     

     


    IMPORTANTE

    •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
    • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
    Publicado por: Dra. Shirley de Campos
    versão para impressão

    Desenvolvido por: Idelco Ltda.
    © Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos