-
Esta página já teve 134.609.253 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.672 acessos diários
home | entre em contato
 

Gravidez/Parto/Obstetrícia

Cabelos e unhas durante e após a gravidez

22/12/2008

 

A gravidez é um estado especial na vida de uma mulher. Quase todas as partes do corpo submetem-se a mudanças durante a gravidez. Devido às alterações hormonais, cabelo, unhas, produção de leite, ovulação e menstruação sofrem algum tipo de alteração. Muitas dessas mudanças são freqüentes, consideradas normais e variam em cada pessoa.

Entre as mudanças mais freqüentes está o excesso de pêlos, ou hirsutismo, mais recorrente na face e com regressão após o parto. Já a queda de cabelos pode ocorrer de um a cinco meses após o parto, geralmente seguida de repilação total. Com o tempo, os hormônios e os cabelos voltam ao estado normal pré-gravidez.

As unhas de algumas mulheres podem crescer mais, ficar mais fortes e saudáveis, ou podem começar a descascar e rachar. Mas, para a maioria das mulheres, a gravidez faz com que as unhas cresçam mais rapidamente. Isto ocorre devido ao aumento do volume do sangue e da circulação, conseqüência dos efeitos das alterações hormonais.

Para compensar a diminuição de nutrientes, a mãe deve fazer uso de vitaminas e comidas saudáveis. A má nutrição pode gerar sulcos transversais nas unhas ou melanoníquia (escurecimento da unha). Além dessas mudanças, as mãos e os dedos podem inchar, principalmente a partir do sexto mês, causando dor e sensibilidade. A gravidez afeta também as unhas dos pés, que podem tornar-se mais frágeis.

A biotina é uma vitamina essencial que mantém a integridade celular da pele, cabelos e unhas. A urina das mulheres grávidas possui níveis elevados de biotina, um sinal da deficiência. É comum esta deficiência durante a gravidez. Alimento como soja, queijo, couve-flor, banana, amendoim, cogumelo, frango e ovos são fontes dietéticas. A biotina é prontamente absorvida como com a maioria das vitaminas B, considerada segura em doses suplementares. Assim como a gravidez, a lactação e o uso de ansiolíticos causam deficiência da biotina. É importante frisar que todas essas alterações podem ser explicadas por um médico, e que a mulher precisar ser acompanhada rotineiramente durante a gravidez.


Referências

. Women's health in primary care 570 Vol. 2, No. 7/JULY 1999

. Blackmore-Prince, Cheryl, Sioban D. Harlow, Paul Gargiullo, Michelle A. Lee, and David A. Savitz. (1999). Chemical Hair Treatments and Adverse Pregnancy Outcome among Black Women in Central North Carolina. American Journal of Epidemiology, 149:712-716.

. Mock DM, Quirk GJ, Mock NI. Marginal biotin deficiency during normal pregnancy. Am J Clin Nutr 2002;75:295-299.

. Zempleni J, Mock DM. Marginal biotin deficiency is teratogenic. Proc Soc Exp Biol Med 2000;223:14-21.

Artigo enviado pela Dra. Eliane Abad (5 de Maio de 2007)

 

Fonte:

http://www.sbdrj.org.br/dicas_cabelos_e_unhas_durante_e_apos_a_gravidez.asp

 

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos