Dermatologia/Pele - Furúnculos
Esta página já teve 113.997.201 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.859 acessos diários
home | entre em contato
 

Dermatologia/Pele

Furúnculos

25/06/2003



O que causa e como tratar os furúnculos
Dez respostas às principais perguntas sobre essas lesões de pele que em geral demoram duas semanas para desaparecer.


1) O que são furúnculos?
São lesões purulentas na pele semelhantes a enormes espinhas provocadas em geral pela bactéria estafilococos aureus. Essa infecção começa com um nódulo avermelhado com um pêlo no centro onde pode aparecer um pequeno ponto de pus.

2) O que causa essa infecção?
As bactérias são comuns na superfície da pele, mas podem se tornar agressivas em função do estado de saúde da pessoa (a baixa imunidade lhes abre as portas) ou de condições do meio ambiente – excesso de umidade e muito calor. Também podem favorecer a infecção algumas doenças, como diabetes, obesidade e alergias, especialmente associadas a asma ou rinite.

3) Por que há relação com essas doenças?
A asma e a bronquite são processos inflamatórios e produzem secreções que se tornam meio de cultura mais fácil para os estafilococos. Além disso, quem se coça com freqüência facilita a penetração da bactéria na pele. Já os obesos são mais vulneráveis por causa do atrito entre as dobras de pele. E os diabéticos apresentam uma alteração de pH e metabolismo na pele que também aumentam a tendência aos furúnculos.

4) Em que tipo de pessoa os furúnculos são mais comuns?
Obesos, diabéticos e alérgicos estão entre as principais vítimas. Mas as infecções também são mais freqüentes em pessoas que têm pele oleosa, que usam roupas muito justas e que ficam sentadas durante muito tempo. O calor estimula as glândulas sebáceas, que eliminam sua secreção por meio do folículo pilo-sebáceo. Essa condição favorece a obstrução do folículo e o aparecimento do furúnculo. Durante a adolescência, a flutuação hormonal, especialmente de testosterona, hormônio masculino, é outro fator que estimula as glândulas sebáceas, favorecendo o aparecimento dos furúnculos. Por último, algumas pessoas apresentam uma tendência genética a manifestar alguns estafilococos de cepas mais agressivas.

5) Por que é comum aparecer mais de um furúnculo por vez?
A bactéria estafilococos é altamente transmissível. É comum a pessoa mexer na área infectada e levar a bactéria para outro lugar. É o que se chama furunculose. Vários furúnculos próximos podem ainda se comunicar formando o que se chama de antraz: um conjunto de furúnculos que, além de ser muito doloroso, pode deixar cicatrizes pelo fato de haver necroses em áreas próximas.

6) Em que lugares do corpo eles são mais comuns?
Podem aparecer em qualquer região, mas são freqüentes nas axilas, nas nádegas, em pontos sujeitos a atrito de pele e de transpiração mais intensa, onde o folículo piloso fica obstruído com mais facilidade.

5) Essa infecção é contagiosa?
Sim. A bactéria pode ser transmitida pela secreção purulenta e pelo ar. Ela tem preferência por ambientes úmidos e quentes e se instala nas fossas nasais com muita freqüência. Por esse motivo, quando uma pessoa na família está com um furúnculo, todos na casa devem aplicar no nariz várias vezes ao dia cremes à base de antibiótico. Essa medida ajuda a esterilizar o local. Também é indicado manter uma higiene corporal bastante rigorosa, com banho de duas a três vezes ao dia, particularmente quando residem em regiões de clima quente.

6) Como é o tratamento?
O uso de antibiótico é comum, mas requer muito critério. Principalmente no caso de pessoas que têm reincidência. Elas não podem ficar tomando o remédio o tempo todo para não criar subtipos mais resistentes da bactéria. O interessante é deixar os ambientes ventilados e promover melhor qualidade de higiene e nutrição – para fortalecer o sistema imunológico. Quanto ao tratamento local, pode-se fazer compressas de água boricada morna ou colocar bolsas de água quente uma ou duas vezes por dia. Essa é uma maneira natural de facilitar a drenagem do furúnculo porque amolece a pele e o conteúdo purulento pode ser eliminado. Nesse estágio, desde que a pessoa use luvas descartáveis, pode tentar espremer o local. Com a saída do tecido necrosado diminui a pressão sobre os nervos e há alívio da dor. Em seguida, basta lavar o local com água e sabão. Mas não se deve usar mertiolate porque o medicamento atrasa a cicatrização.
7) Em geral quanto tempo leva para o furúnculo desaparecer espontaneamente?
Desde o começo da infecção até a expulsão do tecido necrosado passam-se em geral cerca de duas semanas.

8) E quando é necessário ir ao médico para fazer a drenagem?
Se a dor incomodar muito e o furúnculo já estiver amolecido mas o paciente não conseguir espremê-lo sozinho, deve ir ao médico. O problema na drenagem dos abscessos, antes de estar no ponto certo, é que a anestesia não pega e, portanto, o processo é muito doloroso.

9) Há algum tratamento específico para quem sofre com crises freqüentes?
Para pessoas que têm furúnculos recorrentes existe a possibilidade de desenvolver uma autovacina. Em geral, o laboratório colhe o material purulento para investigar qual é o subtipo do estafilococos e desenvolve uma vacina com esse tipo de bactéria inativada para estimular o sistema imunológico. O tratamento dura meses e os resultados não são 100% eficazes. Nunca se sabe se vai funcionar ou não.

10) Pode-se falar em prevenção?
Não há provas científicas de que determinados alimentos fomentam ou não a ocorrência de furúnculos. Mas é bom evitar alimentação gordurosa, muitos condimentos, frituras, doces e chocolates em excesso, porque em muitos casos há uma correlação entre o consumo desses alimentos e o aparecimento de furúnculos.

Fonte: Valéria Petri, professora titular do Departamento de Dermatologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Brasil.

Fonte: Artigos, Salutia

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos