-
Esta página já teve 134.685.016 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.668 acessos diários
home | entre em contato
 

Gravidez/Parto/Obstetrícia

Vírus H1N1 atinge gestantes com mais severidade,

30/07/2009

Vírus H1N1 atinge gestantes com mais severidade, diz estudo

Número de grávidas entre os mortos nos EUA pela doença é desproporcional, diz trabalho publicado na Lancet

Reuters

 

CHICAGO, EUA - Mulheres grávidas infectadas com o vírus H1N1 têm risco elevado de sofrer complicações graves ou morrer, e devem receber tratamento imediato com drogas antivirais, disseram pesquisadores ligados ao governo dos Estados Unidos.

 

Gestantes sempre estiveram expostas a um risco maior de complicações da gripe comum, mas o H1N1 está causando danos excepcionais, disseram os cientistas.

 

"Assistimos a uma multiplicação por quatro da taxa de hospitalização de mulheres grávidas, na comparação com a população em geral", disse a médica Denise Jamieson, dos Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) do governo americano.

 

"Também assistimos a uma proporção relativamente alta de mortes entre grávidas. Informamos 13% no artigo científico, mas este é um número muito instável, baseado num pequeno número de mortes informadas". O estudo aparece na revista médica britânica The Lancet.

 

O estudo teve por base a morte de seis mulheres grávidas, dentro de 45 mortes por H1NN1 informadas aos CDC entre 15 de abril e 16 de junho.

 

Todas as mulheres eram saudáveis antes de infectadas, e todas desenvolveram pneumonia e precisaram ser colocadas num ventilador.

 

A médica disse que 302 mortes causadas pelo H1N1 foram informadas aos CDC, das quais 266, com informações completas sobre os pacientes. "Dessas, 15 foram de mulheres grávidas, o que é cerca de 6%", acrescentou.

 

Como as gestantes são cerca de 1% da população dos Estados Unidos, as grávidas "estão definitivamente representadas em excesso na proporção de mortes".

 

Keiji Fukuda, da Organização Mundial da Saúde (OMS), disse que o órgão da ONU ainda não definiu uma política sobre o uso de drogas antivirais em mulheres grávidas. Ele disse que os pesquisadores ainda debatem se é melhor usar a droga por prevenção ou para tratar as pessoas que estão realmente mal, dadas as limitações de estoque.

Fonte:

http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,virus-h1n1-atinge-gestantes-com-mais-severidade-diz-estudo,410391,0.htm

 

 

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos