-
Esta página já teve 132.460.647 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.704 acessos diários
home | entre em contato
 

Notícias da Dra. Shirley

Cliente da exploração sexual agora é criminoso

31/07/2009
Cliente da exploração sexual agora é criminoso - Parte II
27/7/2009
imagem transparente

100 mil denúncias em seis anos

O Disque-Denúncia Nacional, que recebe ligações de denúncias envolvendo exploração sexual de crianças e adolescentes, atingiu a marca de 100 mil denúncias em seis anos. São quase 50 por dia. No período foram 2,3 milhões de telefonemas. No primeiro semestre deste ano foram 17 mil. Além de casos de violência sexual, o Disque 100 recebe informações sobre tráfico de crianças e adolescentes, maus-tratos, negligência, entre outros crimes.

Para a coordenadora do projeto, Leila Paiva, isso mostra que a sociedade está mais consciente no seu papel de denúncia. Ela afirma que a aprovação da nova legislação é importante por marcar uma atualização, mas que a Secretaria Especial de Direitos Humanos entende que o fim da exploração só ocorrerá quando todos estiverem conscientes de seu papel de proteção. “É importante prever os crimes, mas é preciso atuar na prevenção, ir para as escolas e também trabalhar o agressor, por exemplo”.

O que muda

Confira as principais alterações no Código Penal referentes aos crimes sexuais:

Liberdade - Altera o Título VI, que descrevia este tipo de situação como crime contra os costumes.

Agora, à luz dos direitos humanos, eles são nomeados de “Crimes contra a liberdade sexual”.

Estupro - Aumenta a pena do crime de estupro em caso de lesão corporal ou morte. Também considera que não há mais diferenças de gênero.

Admite-se como alvo dessas práticas tanto pessoas do sexo feminino quanto do masculino.

Vulnerável - Cria um novo tipo penal: o estupro de vulnerável.

Ter conjunção carnal com menores de 14 anos, ou com alguém que não tenha discernimento em função de enfermidades ou deficiência mental, é crime com reclusão de 8 a 15 anos. Em todas as situações dessa modalidade, o Ministério Público entrará com uma ação penal pública.

Exploração infantil - No caso da exploração sexual infantil, o Artigo 218-B deixa clara a figura do cliente como alguém que está cometendo um crime.

A pena de reclusão é de quatro a dez anos e pode ser mais severa caso ocorram as seguintes situações: o delito seja cometido por duas ou mais pessoas, se o agente for alguma pessoa da família ou alguém responsável pelo cuidado e proteção, se do crime resultar gravidez ou se a vítima contrair alguma doença sexualmente transmissível.



Fonte: Gazeta do Povo

 

Fonte:

 

http://www.portaldoconsumidor.gov.br/noticia.asp?busca=sim&id=13980

 

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos