- Sementes crioulas: o estado da arte no Rio Grande
Esta página já teve 134.695.480 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.665 acessos diários
home | entre em contato
 

Nutrologia/Alimentos/Nutrição

Sementes crioulas: o estado da arte no Rio Grande

14/12/2009

Andréia Becker Pelwing1

Lúcia Brandão Frank2

Ingrid I. Bergman de Barros3

Resumo: O presente estudo analisou o estado da arte das sementes

tradicionais, crioulas ou landraces no estado do Rio Grande do Sul.

Através de uma amostragem não probabilística, foi realizado um estudo etnográfico em 13 propriedades de oito municípios pertencentes às regiões da Grande Porto Alegre, Serra, Planalto Médio, Depressão Central e Serra do Sudeste. A pesquisa diagnosticou uma grande diversidade de plantas cultivadas de origem remota, mantidas nas propriedades dos agricultores tradicionais através de bancos de sementes. Ao todo, foram identificadas 39 espécies de plantas, distribuídas em 12 famílias botânicas, totalizando 258 apontamentos de plantas cultivadas crioulas no total dos entrevistados. A preferência da utilização de sementes crioulas, de acordo com relatos dos agricultores entrevistados, foi atribuída principalmente a características como a adaptabilidade, valorização dos costumes, o sabor e qualidade das variedades tradicionais, além do baixo custo de produção. Em relação às dificuldades de sua manutenção, as mais freqüentes foram o desinteresse das novas gerações e a dificuldade em trocar e obter sementes. Foram, ainda, diagnosticadas estratégias de manutenção de variedades tradicionais desenvolvidas nas diferentes regiões como alternativas à conservação.

 

1 Mestre em Fitotecnia pela UFRGS. Professora do Centro Federal de Educação

Tecnológica de São Vicente do Sul (CEFETSVS- UNED - Júlio de Castilhos RS).

2 Doutora em Zootecnia pela UFRGS. Professor Adjunto do Departamento de Plantas

Forrageiras e Agrometereologia -Faculdade de Agronomia da UFRGS.

3 Doutora. Em Genética e Melhoramento de Plantas pela Universidade de São Paulo

(USP). Professor Titular do Departamento de Horticultura e Silvicultura -

Faculdade de Agronomia da UFRGS.

RER, Piracicaba, SP, vol. 46, nº 02, p. 391-420, abr/jun 2008 – Impressa em junho 2008

392 Sementes crioulas: o estado da arte no Rio Grande do Sul

 

Palavras-chave: sementes crioulas, agrobiodiversidade, agricultura

familiar, sustentabilidade.

Classificação JEL: Q20

Abstract: This study investigated the state of the art of traditional,

or landrace seeds in the State of Rio Grande do Sul. An ethnographic

study was carried out by means of a non-statistical seed sampling in 13

farms from eight municipalities lying in the regions of the Greater Porto

Alegre, Serra, Planalto Médio, Depressão Central and Serra do Sudeste.

A broad diversity of ancient plants was observed. These species survive

in the farms with the help of a seed bank. All in all, 39 plant species

were characterized, distributed in 12 families, totaling 258 instances of

landrace seeds grown in the farms visited. According to the farmers, the

preference for landrace seeds is due chiefly to seed adaptability, better

flavor and quality of the produce grown therefrom, valuablezation of

customs and lower production costs. As regards seed upkeep, the most

common difficulties mentioned were the lack of interest by the younger

generations, and the obstacles in swapping and obtaining seeds.

Alternatives to the upkeep of traditional seeds developed in different

zones were also discussed as choices to plant conservation.

Key words: landrace seeds; agrobiodiversity; family agriculture;

sustainability.

 

http://www.scielo.br/pdf/resr/v46n2/v46n2a05.pdf

 

 

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos